Pesquisar

MP-SP Aponta Vínculos entre Vereador Milton Leite e Empresa Associada ao PCC


O Ministério Público de São Paulo (MP-SP) está investigando um possível vínculo entre o vereador Milton Leite (União Brasil), presidente da Câmara Municipal de São Paulo, e a empresa de transporte Transwolff, suspeita de ter ligações com o Primeiro Comando da Capital (PCC).

De acordo com informações reveladas pelo site UOL, que teve acesso a documentos do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), a relação entre Leite e a Transwolff é descrita como estreita. A empresa é acusada de envolvimento em esquemas de lavagem de dinheiro para a facção criminosa. Além disso, Luiz Carlos Efigênio Pacheco, conhecido como Pandora, ex-presidente e dono da Transwolff, também é apontado como tendo conexões diretas com o PCC.

A investigação revelou trocas de mensagens de WhatsApp entre Leite, Pandora e outros investigados. Essas comunicações resultaram na quebra dos sigilos bancário e fiscal de Leite. Pandora foi preso durante a Operação Fim da Linha, mas foi liberado posteriormente.

Os promotores identificaram vários indícios de ligação entre Leite e a Transwolff:

  • E-mails entre funcionários públicos ligados a Leite e executivos da Transwolff.
  • Convite de Leite a Pandora para uma reunião no Conselho Municipal de Trânsito em 2017.
  • Conversas entre um assistente de Leite e um sócio da Transwolff sobre o uso de serviços da empresa no gabinete do vereador, em 2021.
  • Diálogo entre um sócio de Pandora e um capitão da Polícia Militar, aliado de Leite, sobre a emissão de nota fiscal para a Transwolff.
  • Solicitação de ingressos para o Carnaval feita por um sócio de Pandora a Leite.

O UOL também teve acesso a outras informações que reforçam a suspeita de conexão entre Leite e Pandora. Um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) menciona movimentações financeiras significativas em dinheiro vivo, feitas por Pandora através da construtora Neumax, de propriedade de Leite.

Além disso, Leite é acusado de liderar a Cooperam, uma cooperativa de vans denunciada em 2006 por extorsão e abusos contra cooperados, que foi incorporada pela Transwolff em 2015.

Documentos analisados pelo Gaeco incluem um boletim de ocorrência digital que relata o uso de ônibus da Transwolff para transportar drogas para o PCC.

Em resposta ao UOL, Milton Leite, aliado do prefeito Ricardo Nunes (MDB), que está em campanha para reeleição, negou qualquer envolvimento com a Transwolff ou Pandora.

Leia Também