Pesquisar

Crise de Abastecimento de Água em Itupeva: Entenda como está o processo da Represa da cidade. Entrega - independente de gestão - deve ocorrer no final de 2025




Nesta semana, Itupeva enfrentou uma crise de abastecimento de água que durou cerca de 100 horas. A população, cada vez mais preocupada, questionou as autoridades sobre a situação. A Prefeitura informou que uma contaminação química na tubulação de esgoto de uma empresa afetou o leito do córrego Caxambu, um dos principais mananciais de abastecimento do município.

Após identificar a contaminação, a Sabesp suspendeu a captação de água no córrego Caxambu e iniciou a descontaminação para restabelecer o abastecimento. Para garantir que todos os moradores tivessem acesso à água, a Sabesp implementou um rodízio no fornecimento, distribuindo água de forma intermitente. Os bairros das regiões mais altas da cidade foram os mais afetados. A falta de água, inédita na história do município, levantou debates sobre o porquê de Itupeva ainda não possuir uma nova represa.

Em 2012, durante a gestão do então prefeito Ocimar Polli, Itupeva iniciou seus planos para a construção de uma represa como parte do seu plano de saneamento básico, visando garantir o abastecimento de água para a população e o desenvolvimento sustentável do município. No entanto, entre 2013 e 2016, durante a gestão de Ricardo Bocalon, não houve novas tratativas sobre o tema e nem foi executado o plano deixado em 2012.


Matéria de 2019 pode ser lida no Portal G1 no Link - https://g1.globo.com/sp/sorocaba-jundiai/especial-publicitario/prefeitura-de-itupeva/itupeva-noticias/noticia/2019/01/11/prefeitura-assina-contrato-para-construcao-de-represa-em-itupeva.ghtml
Matéria no Portal G1, de 2019, pode ser lida no link -> https://g1.globo.com/sp/sorocaba-jundiai/especial-publicitario/prefeitura-de-itupeva/itupeva-noticias/noticia/2019/01/11/prefeitura-assina-contrato-para-construcao-de-represa-em-itupeva.ghtml

Em 2019, durante a gestão do prefeito Marcão, a Prefeitura conseguiu uma verba de 51 milhões de reais junto ao Ministério das Cidades, destinada diretamente à Sabesp. O dinheiro é direcionado diretamente aos cofres da empresa e não passa pela prefeitura. O projeto prevê um reservatório de 60 mil metros quadrados, com capacidade para armazenar 295 mil metros cúbicos de água bruta e vazão de 127 litros por segundo.

O projeto conta também com captação e adutora de água bruta no ribeirão São José; captação e adutora de água bruta no Santa Rita; ampliação da ETA (Estação de Tratamento de Água) São José; e adutora e reservatório de água tratada no bairro Rio das Pedras. A ampliação da Estação de Tratamento duplicará o potencial de abastecimento no município. No entanto, o processo foi impactado pela pandemia de COVID-19, resultando em atrasos no processo de licenciamento ambiental necessário para o início efetivo da construção.

Procurado, o prefeito Marcão disse que durante esse período "parcerias estratégicas foram estabelecidas com fazendas locais, visando à liberação controlada de água para garantir o abastecimento contínuo da região durante todo o processo de construção da represa". O ex-vice-prefeito Mustafa também comentou sobre os trabalhos: "Durante nossa gestão, acompanhamos de perto o trabalho da Sabesp e garantimos que nunca faltasse água para a população. O dinheiro destinado para a construção da represa já está com a Sabesp, e todo o trabalho para o licenciamento ambiental foi desenvolvido, um processo trabalhoso. O início da licitação já foi dado, e graças ao esforço de nossa gestão, a represa será entregue em breve."



Em 30 de outubro de 2023, durante a gestão do então prefeito Angelin, Itupeva recebeu a licença ambiental prévia para a instalação da construção da barragem São José, emitida pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) e encaminhada pela Sabesp.

O documento em questão era o que faltava para que a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo pudesse finalizar o certame licitatório de contratação da empresa responsável pela obra. Nesta semana, conforme publicado pela vereadora Eliana Borges em resposta a um munícipe, ela informou que entrou em contato com a Sabesp, que confirmou que está com a verba destinada para a obra. A empresa que ganhou o processo licitatório está reunindo as documentações para iniciar a obra, cabendo ao poder executivo e ao legislativo do município cobrar e acompanhar essa demanda.

Segundo matéria publicada no site da CETESB em 2023, o prazo previsto para a entrega da represa seria de 24 meses, ou seja, 2025. A informação pode ser vista no trecho abaixo: "Os potenciais impactos ambientais do empreendimento, por ocasião de sua implantação, poderão ser mitigados com a devida efetivação dos programas ambientais propostos pelo empreendedor e das medidas indicadas no Parecer Técnico da CETESB. Os investimentos previstos nas obras girarão em torno de R$ 39 milhões e o prazo previsto de conclusão, de 24 meses, gerando empregos para 268 trabalhadores, sendo 238 diretos e 30 indiretos (fase de implantação)."


Leia Também