UMA TRAGÉDIA POLÍTICA

 “Nenhum povo merece ser negligenciado a ponto de ver sua terra, sua vida, dos seus parentes e amigos, sua história e seus bens serem devastados em razão da sobreposição do interesse econômico em relação ao valor humano… “ - Adriana Cecilio, gaúcha, advogada e professora.


Infelizmente, o estado do Rio Grande do Sul acaba de vivenciar uma das maiores tragédias climáticas da história do nosso país, com pouco mais de 1,5 milhão de pessoas sendo brutalmente atingidas. 

Ainda é inestimável a quantidade de pessoas que tiveram suas casas, e vidas afetadas drasticamente pelas chuvas e inundações,e nesse exato momento, muitas pessoas ainda batalham para ter acesso ao básico da dignidade humana, como abrigo, água potável, comida e vestimentas. 

Olhamos para um momento como este, e nosso primeiro pensamento é “que tragédia da natureza, uma lástima..” Sim, não deixa de ser uma lástima, mas é um ledo engano pensarmos que trata-se de um tragédia natural. 


O governo vigente do estado do Rio Grande do Sul foi cientificado de que uma tragédia como essa poderia ocorrer, aliás, teve uma prévia com as enchentes que ocorreram em 2023. Mesmo diante de avisos, o governo se isentou e permaneceu inerte. Para além da inércia, o governo ainda afrouxou medidas preventivas do Código Ambiental, permitindo que empresários construíssem em áreas que eram de proteção ambiental quando bem entendessem, para isso bastava que preenchessem um formulário se “autolicenciando”. 

Fica evidente que o governo do Estado priorizou o lucro, e não resguardou o meio ambiente, o que acarretou a tragédia, que por fim, dizem ter sido climática. 

Apesar do governo ter mais de 400 milhões de caixa para serem destinados a realização de bombeamento de águas fluviais das 23 estações existentes, apenas 4 delas estavam em devido funcionamento, ou seja, o valor não foi devidamente investido.

Embora pesquisadores e professores tenham feito alertas a respeito de uma iminente catástrofe, tudo foi duramente ignorado, e mais uma vez o negacionismo científico assumiu a cena, quem sofre as penas infelizmente é o povo sul grandense, que se vê em meio ao luto, caos, e desdém de seus governantes.


Diante de todos os fatos apresentados, cabe ao Ministério Público avaliar e determinar os culpados dessa catástrofe, que embora tenha sido provocada por causas naturais, não foi evitada, mesmo havendo alertas quanto a sua chegada, caracterizando assim, condutas omissivas e comissivas por parte do Governo Estadual do Rio Grande do Sul. 

O artigo 225 da Constituição Federal prevê que o Poder Público DEVE adotar medidas que protejam o meio ambiente. Está evidente que esse artigo foi completamente negligenciado, traçando assim, uma tragédia política. 

Fonte das Imagens: @ninjafoto

Postar um comentário

0 Comentários

Leia também