Pesquisar

Controle das finanças é a principal dificuldade para 52% dos empreendedores

Fluxo de caixa, instrumento para controlar entrada e saída de recursos, pode orientar a tomada de decisões e garantir a sobrevivência de um negócio_

Controlar a entrada e a saída de recursos é uma função considerada fundamental para o sucesso de uma empresa. Fazer a gestão financeira é ainda mais importante para os pequenos negócios, que podem ter o futuro comprometido se não houver o acompanhamento destas movimentações.

 Uma pesquisa realizada pelo Sebrae com 10 mil empreendedores mostra que a dificuldade para gerir o financeiro da empresa é o principal desafio dos pequenos empresários. De acordo com o levantamento, 52% dos entrevistados admitiram que precisam de mais capacitação para controlar os recursos.


O empresário Pedro Alexandre possui uma empresa especializada em pisos vinílicos, laminados e carpetes, e relata que sofria com a falta de clareza sobre a entrada e saída dos recursos de sua empresa. Depois de adotar instrumentos que o auxiliam nesta missão, como o fluxo de caixa, notou melhora na sua rotina administrativa.

Silva explica que descobriu a relevância do fluxo de caixa quando procurou os serviços de uma consultoria especializada. “Estávamos conversando sobre o mercado e as vendas quando o tema surgiu no bate-papo”, conta.

 Ao começar a praticar a correta gestão do financeiro da empresa, Silva diz ter percebido que, até aquele momento, alguns números importantes não eram considerados na hora de fechar as contas. “Eu posso resumir o fluxo de caixa em uma palavra: clareza. Esse instrumento trouxe transparência e mostrou o que realmente estava acontecendo dentro da empresa”, relata o empresário.

Ismair Sátiro

 O consultor empresarial Ismair Sátiro confirma a percepção do empreendedor e explica que o fluxo de caixa pode, também, orientar nas decisões de um negócio. “Através desta ferramenta, é possível visualizar a saúde financeira de uma empresa, assim como as decisões que podem ser tomadas a curto, médio e longo prazos”, detalha.

 Para fazer este controle, o consultor diz que é preciso realizar um relatório com informações sobre toda a movimentação de recursos gastos e recebidos pela empresa em determinado período. “Com o auxílio deste relatório, situações podem ser previstas ou planejadas para resolver problemas como reduzir despesas, desencalhar estoques, fazer investimentos ou negociar prazos com fornecedores”, acrescenta.

 

Controle frequente

 

Sobre a frequência ideal para o realizar o fluxo de caixa, o consultor afirma que o mesmo deve ser feito mensalmente, mas exige análises diárias dentro do planejamento financeiro. “A análise constante faz com que o empresário pondere gastos e projete novos desafios comerciais para aumentar a receita e diminuir as despesas do negócio”. 

Há diferentes formas de fazer o fluxo de caixa, mas Sátiro conta que não há modelo ideal. “A melhor opção é aquela que se adapta à realidade do negócio. O importante é alimentar de forma correta para que possa ter um relatório preciso e que auxilie na tomada de decisões do dia a dia”, opina o consultor.

 Cercar-se de profissionais capacitados é um conselho dado por Sátiro para fazer um bom fluxo de caixa e evitar equívocos nesse controle. “Erros de lançamento no plano de contas e não analisar adequadamente o fluxo de caixa podem gerar relatórios equivocados, trazer prejuízos financeiros e até um superendividamento”, finaliza.

 

CRÉDITO: DIVULGAÇÃO

 

 

Notícias Relacionadas