Governo Federal Propõe Concurso Nacional Unificado para Ocupar 8 Mil Vagas em Diversos Setores

Compartilhe!



O Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI) revelou uma proposta para padronizar os concursos públicos federais. O plano, batizado de Concurso Nacional Unificado, tem como objetivo facilitar o preenchimento de aproximadamente 8 mil vagas em diversas áreas do governo federal. O anúncio oficial, detalhando a estrutura de governança, deverá ser publicado até meados de setembro deste ano.

Um Exame ao Estilo ENEM

Inspirado no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), o Concurso Nacional Unificado permitirá que os candidatos realizem um único teste para se candidatar a várias posições no serviço público. Ministérios e agências poderão aderir ao projeto de forma voluntária. De acordo com o MGI, o edital deverá ser publicado até dezembro de 2023, e as provas estão programadas para o dia 25 de fevereiro de 2024.

Vagas e Temáticas

As 8 mil vagas disponíveis serão divididas entre blocos temáticos, abrangendo áreas como Administração e Finanças Públicas, Educação, Meio Ambiente, Saúde, entre outras. Esta estrutura temática também refletirá no exame, que será dividido em duas partes: uma de questões objetivas comuns a todos e outra de provas específicas e dissertativas de acordo com o bloco temático escolhido pelo candidato.

Cronograma do Concurso

O MGI informa que os resultados da primeira fase do concurso serão divulgados até o final de abril de 2024, e os cursos de formação para os aprovados devem começar entre junho e julho do mesmo ano. As provas devem ser realizadas simultaneamente em cerca de 180 cidades em todo o Brasil.

Um Passo Rumo à Democratização

"A unificação representa um processo de democratização do acesso ao serviço público", enfatizou a Ministra Esther Dweck. José Celso Cardoso Jr., secretário de Gestão de Pessoas do MGI, acrescentou que a nova abordagem permitirá uma seleção mais eficaz de indivíduos íntegros e comprometidos com o serviço público.

Organização e Parcerias

O projeto será gerenciado por uma Coordenação Geral composta por várias entidades, incluindo o MGI, o INEP, o IPEA, a ENAP e a AGU. Este grupo também contará com a participação de comissões setoriais de cada órgão envolvido.

O governo federal e seus parceiros esperam que a nova estratégia resulte em uma maior eficiência e equidade no processo de contratação para o setor público.

Para mais informações e atualizações, fique atento às publicações oficiais do Ministério da Gestão e da Inovação.

Postar um comentário

0 Comentários

Notícias Relacionadas