Pesquisar

Exposição sobre o Holocausto no Museu Solar do Barão abre nesta quinta (11)

A partir desta quinta-feira (11), o Museu Histórico e Cultural Solar do Barão recebe a exposição “Holocausto: para que nunca se negue, para que nunca se esqueça e para que nunca mais se repita”. Com abertura oficial marcada às 14h30, a mostra reúne, além de exibição promovida pela Unidade de Gestão de Cultura (UGC) da Prefeitura, acervos de mostras afins à temática, propostas pelo Memorial da Imigração Judaica e do Holocausto de São Paulo e pelo Consulado Geral da República da Lituânia de São Paulo, importantes parceiros nesta realização.

A exposição fica em cartaz até o dia 6 de agosto, com entrada gratuita e faixa etária indicada para maiores de 12 anos. Crianças menores dessa idade poderão fazer a visita somente se acompanhadas de adultos responsáveis.

“Além da reflexão sobre o Holocausto, esta exposição vai ao encontro da proposta de diálogo que queremos realizar enquanto sociedade, como solução para a convivência entre as diferenças, em vez da construção de muros e de cercas. E isto também faz sentido dentro do programa Cidade das Crianças, uma vez que o Nazismo também fez das crianças suas vítimas”, comentou o gestor de Cultura, Marcelo Peroni.

Equipes acertam os últimos detalhes da montagem para a abertura oficial nesta quinta (11)

O diretor do Departamento de Museus Paulo Vicentini traça um paralelo desta com a exposição “Triângulos Roxos”, de que muitos jundiaienses ainda se recordam. “São exposições muito diferentes entre si, mas que possuem o mesmo objetivo: demonstrar claramente à população que o Nazismo e o Fascismo foram, são e sempre serão os piores inimigos da sociedade”.

Disposta pelas salas do prédio histórico do Museu, a parte da exposição proposta pela UGC retrata por meio de documentos, fotos, mapas, depoimentos e instalações interativas um panorama da ascensão do regime Nazista, a 2ª Guerra Mundial, as atrocidades cometidas contra a Humanidade, a realidade dos campos de concentração, das câmaras de gás, além das histórias das vítimas, inclusive os sobreviventes, e os tribunais de julgamento dos atrozes do regime.

Ainda no andar térreo, a exposição “Shoá: como foi humanamente possível?”, proposta pelo Memorial da Imigração Judaica e do Holocausto de São Paulo, propõe a reflexão do visitante sobre o tema por meio de fotos, charges, depoimentos, e instalações interativas.

Já nas salas expositivas do andar inferior do prédio, o visitante poderá conferir a exposição “Os justos entre as nações da Lituânia”, promovida pelo Consulado de São Paulo e pelo Consulado Honorário do Guarujá. Por meio de fotos, depoimentos e excertos de livros, a mostra retrata a importante contribuição de lituanos para salvar, esconder e libertar as vítimas do regime nazi-fascista.

Exposição traz fotos, documentos, mapas, textos, objetos e depoimentos

Formação

Vicentini acrescenta que, desde a montagem da exposição até as próximas semanas, têm sido realizadas formações a educadores e profissionais de diversos segmentos, além da organização de visitas de grupos de alunos. “Louve-se o trabalho da Diretoria de Ensino de Jundiaí e de seus integrantes, que muito têm mobilizado os seus professores para conhecer a exposição”, registrou o diretor, que acrescentou que pela primeira vez o Museu irá disponibilizar todo o material gráfico da parte promovida pela UGC na exposição para os educadores interessados.

Museu Histórico e Cultural Solar do Barão

O Museu fica na rua Barão de Jundiaí, 762, Centro. Com entrada gratuita, fica aberto de terça-feira a domingo e feriados, das 10h às 17h. Mais informações pelo telefone (11) 4521-6259.

(Fonte/Imagens: Prefeitura de Jundiaí) 

!-->