Pesquisar

Modelo quase morre ao esquecer absorvente dentro dela por três meses

 Modelo quase morre ao esquecer absorvente dentro dela por três meses

Mundo – A indicação para as mulheres que usam absorventes internos é que sejam feitas trocas regularmente e que o tempo de uso não exceda oito horas. No entanto, a modelo irlandesa Maura Higgins chocou ao contar, em um programa de TV do Reino Unido, que ficou cerca de três meses com um desses tampões. 

Ela quase morreu devido a uma infecção. “Tinha um tampão dentro de mim por três meses. Quando o médico encontrou, estava grudado no colo do útero. E eu estava tão doente. Não sabia o que estava acontecendo… Teve gente que morreu por causa disso”, disse ela ao programa Shopping with Keith Lemon, da rede britânica ITV2. 

A doença que quase vitimou Maura é a síndrome do choque tóxico. Ela ocorre a partir de uma infecção por bactérias Staphylococcus aureus ou estreptococos do grupo A, que produzem uma série de toxinas e causam o choque.

“A síndrome não é comum, mas costuma acontecer subitamente. A pessoa está bem e, em poucos dias, evolui para uma queda de pressão importante, que pode levar a problemas na filtração dos rins e gradativamente alterações em coração, pulmões e fígado. Pode levar à falência múltipla de órgãos”, explica o ginecologista do Hospital Sírio-Libanês e Albert Einstein, Alexandre Pupo. 

Outros sintomas são febre alta, sensação de dor de garganta, inflamação pelo corpo, dor muscular, diarreia e talvez erupção cutânea. O médico avisa também que em casos extremos pode levar à amputação de órgãos. 

“A bactéria consegue entrar no tecido muscular e acaba colonizando também as faces entre os músculos, que são áreas pouco irrigadas de sangue, o que torna o tratamento muito difícil e eventualmente pode levar a situações de amputação.”

Além do uso prolongado de absorventes internos, a infecção que causa a síndrome do choque tóxico pode acontecer “a partir de feridas cirúrgicas ou após um parto, quando há uma infecção da parte interna do útero, ou, ainda, após cirurgias de nariz”, destaca Pupo.

A infecção pelo uso de tampão ocorre porque “provavelmente o absorvente deixa o sangue acumulado no fundo vaginal, juntamente com o material do próprio produto, o que propicia a colonização [de bactérias]. Talvez utilizando o sangue como um substrato, elas crescem em velocidade bastante rápida”, diz o ginecologista. 

O tratamento para a síndrome é com o uso de antibióticos, que variam de acordo com a bactéria causadora da infecção, e de procedimento cirúrgico na área em que começou a colonização. 

“Temos de fazer a limpeza da área infectada, se for uma ferida ou alguma coisa do gênero. Se for um absorvente, temos de retirar o absorvente infectado, porque ele é a fonte principal da bactéria, e aguardar a resposta do corpo”, orienta Pupo. 

Na entrevista, a modelo irlandesa chegou a dizer que o esquecimento não é incomum, e falar sobre o tema pode ajudar outras mulheres.

“Jovens podem não notar quando saem à noite, podem ficar bêbadas e esquecer. Essas coisas realmente acontecem, e as pessoas não falam sobre isso. Eu me lembro de estar na escola, costumava tirar meu absorvente da bolsa, enfiá-lo na manga e depois ir ao banheiro… Não é para se envergonhar, esconder, por isso acho que é um tema importante”, afirmou Maura, de 31 anos, ao programa britânico. 

Além de ser uma doença rara, a síndrome do choque tóxico por uso de absorventes internos não é tão fácil de acontecer, mas a recomendação é trocá-los com frequência. 

“Não é um evento comum, se for feito o uso adequado do absorvente. Ele deve ser posto e removido a partir do momento em que ele estiver encharcado com o sangue menstrual. No caso de menstruações mais abundantes, pode ter vazamentos, então de duas a quatro horas deve ser trocado, e o período do absorvente não deve exceder oito horas”, conclui Pupo. 

Via R7

Notícias Relacionadas