Pesquisar

Jundiaiense que é refêrencia até na NASA é destaque no Fantástico



A Jundiense Duilia Fernandes de Mello foi destaque no Fantástico, no quadro "Mulheres Fantásticas" na qual falou de sua jornada até a NASA


Poliana Abritta: Como foi essa jornada?


Duília de Mello: Foi uma jornada longa, cheia de obstáculos, muitas histórias para contar. Eu fiz astronomia simplesmente porque eu queria saber mais. Eu queria entender como que a gente veio parar aqui, como que teve sim o sistema solar, a Terra, os planetas, né? Ninguém sabia me explicar. Quando eu tinha mais ou menos 12, 13 anos, eu vi uma revista que tinha uma foto do planeta Júpiter. E eu ficava assim: ‘como assim essa foto?’. Alguém tirou essa foto, né? Essa foto veio parar aqui." e novamente as pessoas não sabiam me explicar né? Eu decidi que eu ia estudar astronomia e que eu ia entender o universo como se fosse a palma da minha mão.


O Quadro completo pode ser assistido nesse link


Duília Fernandes de Mello nasceu em Jundiaí e cresceu no Rio de Janeiro. Começou a se interessar por Astronomia quando ainda era criança, no final da década de 1970. Após concluir o Ensino Médio, Duilia ingressou no curso de bacharelado em Astronomia na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), onde começou a se dedicar à astrofísica extragaláctica.

Em 1985, iniciou o mestrado no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), em São José dos Campos, também na área de astrofísica extragaláctica, mas desta vez se especializando em radioastronomia. Sob orientação de Zulema Abraham, utilizou o radiotelescópio de Itapetinga em pesquisas de galáxias peculiares do hemisfério sul. Defendeu sua dissertação “Estudo de Galáxias Peculiares do Hemisfério Sul” em 1998. No mesmo ano, mudou-se para São Paulo para iniciar o doutoramento no Instituto Astronômico e Geofísico da Universidade de São Paulo (IAG/USP), sob a orientação de Ronaldo Eustáquio de Souza.

Em 1995 ela concluiu o doutorado. A conclusão principal da sua tese foi a descoberta de populações estelares jovens em galáxias do tipo elíptica que estão acompanhadas de galáxias espirais. O processo de colisão entre as galáxias foi utilizado para explicar essas populações estelares.

Fez pós-doutorados no Observatório Interamericano de Cerro Tololo, no Chile, no Observatório Nacional, no Rio de Janeiro, e no Instituto do telescópio espacial Hubble, Space Telescope Science Institute, nos Estados Unidos, onde integrou a equipe original do Starburst99 liderada pelo Dr. Claus Leitherer.Em 1999 ela foi para a Universidade de Chalmers na Suécia para trabalhar Observatório Espacial de Onsala como professora assistente.  Ela retornou para os EUA em 2003 como pesquisadora associada da Universidade Católica da América (CUA, na sigla em inglês), em Washington DC nos Estados Unidos, afiliada à NASA, Goddard Space Flight Center. Em 2008 ela foi contratada como professora associada do Departamento de Física da CUA, onde hoje é professora titular.

Duilia possui larga trajetória em divulgação científica. Já foi colunista da revista Superinteressante e do Jornal O Globo. Atualmente escreve a coluna “Mulheres das Estrelas” para a revista Galileu. É autora de dois livros voltados para o público infantil e juvenil

Como palestrante, Duília já participou de vários eventos de grande projeção no Brasil, como a Campus Party, Preparadão Universia, TEDxUFRJ e TEDxSãoPaulo.

Conta com inúmeras participações e entrevistas nas principais emissoras de televisão brasileira, como Bandeirantes, Globo (Fantástico), GloboNews e TV Cultura.

É casada com o astrônomo Tommy Wiklind. Fala português, inglês, espanhol e um pouco de sueco

Notícias Relacionadas