Polícia Civil investiga acusação de estupro de criança de cinco anos que teria sido cometido por professor de EMEB em Jundiaí

 

Imagem ilustrativa

A Polícia Civil de Jundiaí está investigando um professor acusado de estupro de vulnerável dentro de uma Escola Municipal de Ensino Básico (EMEB) no município.

De acordo com informações do Jornal de Jundiaí, a mãe de uma menina de cinco anos fez a denúncia, após a filha contar que o professor havia tocado nela e chegado a fazer ameaças com uma faca.

A menina contou sobre o estupro primeiro a uma vizinha, que avisou a mãe. Ela relatou que, no período de aulas, o professor disse que precisaria lavar as partes íntimas da criança, que estariam sujas. Levou-a para o banheiro, colocou luvas e passou a tocar nos órgãos genitais dela. A mãe também relatou ter encontrado uma mancha no peito da filha uns dias antes. Na ocasião, a menina não disse que sabia do que se tratava, mas acabou confessando que foi por conta do abuso do professor.

A menina também contou que o professor fez "xixi" em um ponte na frente dela. Por fim, a mãe relatou que a filha se recusou a comer linguiça no jantar e, com nojo, disse que se parecia com o pênis do professor.

No Hospital Universitário a menina foi submetida a exame que constatou que houve alteração na vagina, sem rompimento do hímen. 

A Unidade de Gestão de Educação (UGE) da Prefeitura de Jundiaí informou que não há registro/denúncias de estupro contra professores da rede municipal e que irá solicitar o boletim de ocorrências junto à Polícia Civil para que possa adotar as medidas necessárias.

O JJ, no entanto, informa que o professor já é alvo de investigação da Delegacia de Defesa da Mulher, suspeito do mesmo crime contra uma aluna da mesma idade, que teria ocorrido na mesma escola. A investigação busca identificar outras possíveis vítimas.