Mulher afirma que "na USP alunos e professores praticam sexo dentro das salas e nos corredores" e vira piada nas redes sociais

 

Reprodução Twitter

Uma usuária do Twitter fez uma série de postagens atacando a USP (Universidade de São Paulo), após descobrir que a Carta em Defesa da democracia foi elaborada pela instituição.

O post da mulher viralizou nas redes sociais e acabou sendo alvo de muitas piadas, já que ela afirma, entre outras coisas, que "alunos e professores praticam sexo dentro das salas e nos corredores na frente de outras pessoas". 

Reprodução Twitter

A postagem foi rebatida e satirizada, seja por alunos, ex-alunos e outros usuários do Twitter que apontaram que "ou a mulher nunca frequentou uma faculdade ou está só mentindo descaradamente mesmo".

Vale apontar que a USP ocupa a segunda posição no ranking latino-americano do THE (Times Higher Education) desde 2017, tendo ocupado a primeira posição em 2016 neste indicador britânico que é um dos principais no mundo e usa critérios como ensino, quantidade e investimento de pesquisa, influência das pesquisas no ambiente acadêmico, perspectivas internacionais dos alunos e professores, além da renda gerada com a tecnologia produzida nas universidades.

Recentemente, a USP divulgou a "Carta às brasileiras e aos brasileiros em defesa do Estado Democrático de Direito", como resposta aos ataques ao sistema eleitoral e às urnas eletrônicas, feitos principalmente pelo presidente Jair Bolsonaro, que chamou de "cara de pau" e "sem caráter" as mais de 700 mil pessoas que já assinaram o documento.

A Carta está disponível na íntegra no site da USP e pode ser assinada aqui