Usina solar fotovoltaica é inaugurada no Hospital Municipal Nossa Senhora Aparecida


Com o propósito de gerar economia financeira e contribuir para o meio ambiente, a Prefeitura de Itupeva, em parceria com a CPFL Piratininga, inaugurou, na manhã desta quinta-feira (2), a usina solar fotovoltaica do Hospital Municipal Nossa Senhora Aparecida, com investimento de R$ 430 mil, que integra o programa ‘CPFL nos Hospitais’.

A novidade foi apresentada pelo prefeito Marcão Marchi, acompanhado dos secretários municipais, Kleberson Renato da Silva (Obras e Planejamento Urbano) e Alexandre Aluízio Marchi (Fazenda), a assessora especializada, Juliana Corrêa e o diretor de Obras, Cassiano Puglia, bem como o diretor presidente da CPFL Piratininga, Carlos Zamboni e demais profissionais da companhia.

“O equipamento instalado no Hospital, assim como as placas no telhado da unidade proporcionarão uma economia de 70% a 80% na fatura de energia. Agradeço à CPFL Piratininga por escolher Itupeva para essa iniciativa, gerando energia sustentável, por meio desta tecnologia”, afirmou o prefeito Marcão Marchi.



O diretor presidente da CPFL Piratininga, Carlos Zamboni, detalhou a importância do programa ‘CPFL nos Hospitais’. “Trata-se de um programa de eficiência energética da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e que na CPFL denominamos ‘CPFL nos Hospitais’. Portanto, é uma satisfação muito grande estar aqui inaugurando mais uma obra que, com certeza, trará melhorias na qualidade do atendimento aos pacientes do hospital e o meio ambiente agradece”, comentou.

A usina solar, composta por placas fotovoltaicas dispostas no telhado do hospital, tem capacidade instalada de 101,46 kWP e deve gerar cerca de 115,8 MWh de energia por ano, quantidade que passa a ser economizada pelo hospital. Este consumo equivale à média de 49 residências durante 12 meses. A obra ainda evitará a emissão de 14,77 toneladas de CO2 na atmosfera, o que representa o plantio de 89 árvores.

Os valores que o hospital economizará em energia poderão ser revertidos para outras necessidades internas. Isso porque a usina irá gerar parte da energia consumida pela instituição, que possui áreas com funcionamento 24 horas e equipamentos com alto consumo.

“Este projeto representa um legado de sustentabilidade e consumo consciente de energia fundamental para o hospital”, explicou a analista de Projeto de Eficiência Energética, Nathana Luiza Monteiro da Silva.


Leia também...