Ex-morador de rua e cozinheiro se torna CEO de app de transporte de passageiros



O empreendedorismo costuma surgir de um objetivo ou sonho a ser realizado. Foi com esse foco que um ex-morador de rua superou dificuldades durante três longos anos afastado da família, até conseguir uma oportunidade. Dessa chance, novas barreiras e sucessos levaram Sérgio Brito até Araxá, Minas Gerais, onde se tornou empreendedor, fundando a plataforma Te Levo Mobile, para transportar passageiros, gerar empregos e mudar de vida.

 

“Eu vim de uma família extremamente humilde. Eu, meus pais e meus irmãos vivíamos com simplicidade. Depois de ler o livro 50 Tons Para o Sucesso, decidi que era o momento de sair de casa e conquistar condições melhores para nós”, conta Sérgio. Aos 18 anos, ele deixou a família na cidade de Miguelópolis, São Paulo, em busca de um emprego e com a promessa de que voltaria para ajudá-los.

 

Começo de um sonho

Em uma plantação de café na cidade de Itamogi, Minas Gerais, com cerca de 10 mil habitantes, Sérgio começou seu primeiro trabalho e logo conseguiu alugar um pequeno espaço. Poucos meses depois, com o fim da colheita, perdeu o emprego e teve que vender tudo o que tinha para sobreviver enquanto buscava uma nova oportunidade, até que foi despejado. Na rua, se alimentava de restos de comida que encontrava e se abrigava em um estádio de futebol, onde dormia na arquibancada ou no vestiário, quando não estava ocupado por outro morador de rua.

 

Após três anos sem ter notícias do filho, o pai de Sérgio, Expedito, com ajuda da igreja que frequentava, conseguiu encontrá-lo e o levou de volta para casa. Sérgio voltou a procurar emprego, agora focado também em estudar para conquistar oportunidades melhores. A família teve uma leve melhora financeira com a aposentadoria do pai de Sérgio, que continuou a trabalhar para aumentar a renda.

 

Depois de conquistar uma bolsa de estudos no Colégio Oswaldo Cruz e se formar em gastronomia, começou a trabalhar em um hotel na cidade de Araxá. Em março de 2020, o avanço da COVID-19 e os decretos fechando o comércio fizeram com que ele precisasse se reinventar.

 

“Dessa vez, eu não fui tão longe. Comecei a trabalhar como motorista de aplicativo de transporte de passageiros. Em três horas trabalhando, fiz 70 reais. Finalizei um dia de serviço fazendo R$ 500. Ali, encontrei um faturamento mensal que chegou a R$ 12 mil”, conta Brito. Pouco depois, cansado das altas taxas cobradas pelas plataformas e sonhando em ter seu próprio negócio, decidiu que era hora de investir.

 

Devolvendo oportunidades

Em janeiro de 2022, a Te Levo Mobile, de Sérgio, começou a funcionar em Araxá, Minas Gerais, com a tecnologia Machine, voltada ao gerenciamento e criação de aplicativos de transporte de passageiros e entregas. Já foram mais de 2 mil corridas realizadas nos dois primeiros meses de operação, que movimentou R$ 20 mil em corridas no período.

 

Os motoristas da plataforma contam com Plano de Saúde, espaço na central do app para se alimentarem e descansarem e um Carro de Apoio, para acidentes ou imprevistos durante o percurso. A plataforma cobra a taxa fixa de 12% do valor da corrida, o que permite uma renda mais justa ao motorista parceiro. E os passageiros recebem descontos no valor da corrida ou de serviços e produtos de comércios e empresas parceiras.

 

“Já estamos em expansão. Até o final de 2022, estaremos nas cidades de Patrocínio e Franca. Meu foco agora é levar todos os motoristas e passageiros para a Te Levo Mobile e assim retribuir todas as oportunidades que tive para chegar até aqui”, explica Sérgio. Com o primeiro lucro da plataforma, ele criou o Instituto Expeditos, em homenagem ao pai que faleceu por conta do coronavírus em 2021 e não acompanhou o surgimento do app. A entidade entrega apoio e alimento aos moradores de rua da região.

Postar um comentário

0 Comentários

Notícias Relacionadas