Artigo - Votar em candidatos da região faz diferença

O Artigo abaixo é de autoria de Miguel Haddad, que já foi Deputado Federal e não é candidato nestas eleições:  

Nestas eleições não serei candidato. Acho, todavia, necessário ressaltar a importância do voto em candidatos – sejam de quais partidos forem – da Região Metropolitana de Jundiaí.

 

A proximidade entre o eleitor e o seu representante político é um valor importante em uma Democracia. Franco Montoro, um dos políticos de maior destaque de sua geração, autor do primeiro projeto de lei criando o voto distrital – que possibilita uma relação mais próxima entre o eleitor e o seu representante – foi um grande defensor dessa ideia. 

 

Montoro costumava destacar a relevância da obra “Democracia na América”, do pensador francês Alexis de Tocqueville. Em seu livro, fruto de uma viagem aos Estados Unidos em meados do século 19, Tocqueville observa que a descentralização do poder na sociedade americana, diferente do que ocorria na Europa, tornava as comunidades mais ordeiras e reguladas, ao mesmo tempo em que gozavam de maior liberdade. Segundo ele, a proximidade das comunidades com seus representantes era um dos esteios da democracia americana.  

 

No Brasil – à exceção das eleições municipais – o eleitor pode votar em qualquer candidato do seu estado às câmaras federais e estaduais. Isso permite a eleição dos chamados “candidatos paraquedistas”, que muitas vezes têm votos em municípios onde nunca estiveram e desconhecem as necessidades locais.  

 

De forma concreta, os dados comprovam que, na decisão de voto para deputados estaduais e federais, a preferência do eleitor a candidatos locais, domiciliados em suas cidades, mais próximos dos seus eleitores, traz mais benefícios para as suas regiões.  

 

A nossa região é um exemplo disso. Na eleição de 2018 não elegemos nenhum candidato local. Durante seus mandatos, que agora se encerram, os deputados federais e estaduais que receberam a maioria dos votos de nossa região não trouxeram praticamente nenhum recurso, seja para as prefeituras ou entidades locais.  

 

Como primeiro suplente, substituindo deputados que, por alguma razão, haviam se licenciado, assumi provisoriamente, em três ocasiões, por períodos de quatro meses cada, o mandato na Câmara Federal. Além de participar da votação em plenário, consegui aprovar emendas destinando R$ 5 milhões em recursos federais para os municípios da Região Metropolitana de Jundiaí durante o início da pandemia de Covid-19. Essas verbas permitiram custear várias ações da saúde em nossos municípios no momento mais grave da maior crise sanitária enfrentada pelo País.

 

Esse valor, todavia, é irrisório se comparado à legislatura anterior, no qual, como deputado federal, representado a região, cumpri o mandato integralmente. 

 

De 2015 a 2018, somente para Jundiaí, Cabreúva, Louveira, Itupeva, Várzea Paulista, Campo Limpo Paulista e Jarinu – as sete cidades da Região Metropolitana de Jundiaí –, conseguimos liberar recursos no valor de R$ 28 milhões em emendas para saúde, infraestrutura e custeio de entidades.

 

Alguns destaques foram os R$ 6,5 milhões ao Hospital São Vicente, R$ 4,7 milhões para o Grendacc, R$ 4 milhões para a Guarda Municipal de Jundiaí, R$ 500 mil para a Guarda Municipal de Várzea Paulista, R$ 1 milhão para a Santa Casa de Louveira, R$ 300 mil para a Ateal, R$ 300 mil para as APAEs de Jundiaí e Várzea Paulista, entre outros valores disponibilizados para o custeio de entidades de saúde e hospitais na região. Quando somados, os valores indicados para todo o estado de São Paulo ultrapassam os R$ 35 milhões.

 

Nesta eleição, repito, não serei candidato. Mas nem por isso deixarei de fazer campanha. Na minha participação até o pleito vou defender exatamente essa ideia: não importa o partido ou a coligação partidária que você e sua família apoiam – se de centro, de direita ou de esquerda: para deputado estadual e federal, dê preferência aos candidatos que sejam das cidades da nossa região, a Região Metropolitana de Jundiaí.

 

Miguel Haddad