Jundiaí - Preso foge do fórum para não passar por audiência de custódia



Um homem autuado em flagrante perdeu a oportunidade de sair em audiência de custódia ao resolver fugir pouco tempo antes de entrar na sala do juiz, no Fórum Dr. Adriano de Oliveira, em Jundiaí. Ele simplesmente saiu correndo pelo prédio da Justiça, no Centro, e conseguiu ganhar a rua. No entanto, não chegou a ir muito longe.

Dono de uma ficha criminal que inclui crimes de tráfico de drogas e furto, sua prisão mais recente (não foi informada pela polícia) seria analisada em audiência de custódia, que ocorreu em até 24 horas da prisão em flagrante.
No procedimento, criado pelo Tribunal de Justiça (TJ) de São Paulo e presidido por um juiz, analisa-se a circunstância da prisão e decide-se sobre o cabimento e necessidade de manter-se o réu preso durante o processo criminal.
É uma chance que tem a pessoa que será processada pelo Estado de responder em liberdade, mesmo se preso em flagrante por crime inafiançável, como o tráfico de drogas, por exemplo, ou mesmo o homicídio doloso (com intenção).
Não raras as vezes, acusados de tais crimes foram colocados na rua. De acordo com o TJ, o procedimento foi criado principalmente para verificar possíveis abusos ou erros na realização da prisão, apesar de poder decidir o juiz pela soltura provisória do acusado, mesmo quando a detenção é realizada de maneira correta.
No caso do preso de Jundiaí, ele conseguiu deixar o fórum correndo, apesar do esquema de segurança do prédio. Ele também estava sob a custódia de policiais militares, que foram responsáveis por capturá-lo.
Mostrando que não tinha a intenção de responder por seu crime, ele teve a prisão preventiva mantida e foi encaminhado para trás das grades. Deve permanecer preso agora durante o processo criminal e, se condenado, possivelmente não conseguirá benefício de saída temporária, a famosa “saidinha”, em épocas específicas do ano.