Mãe e Empreendedora: 10 mulheres que conciliam a maternidade com o próprio negócio



Conciliar a carreira de empreendedora e a maternidade não é uma tarefa fácil. No desafio de equilibrar a balança entre a vida pessoal e profissional, é preciso jogo de cintura, paciência, estratégia e muita dedicação. O ditado que diz que “mães são todas iguais” não poderia estar mais errado, já que a relação entre empreendedorismo e maternidade acontece de formas diferentes na vida de cada uma. Há as que almejam flexibilidade no trabalho para ter mais tempo para a família, as que tomam coragem para empreender junto com os filhos e também aquelas com crianças pequenas que, ao voltar do período de licença, enfrentam as portas do mercado de trabalho fechadas.

Por isso, no mês que se comemora o Dia das Mães, conheça 10 histórias de matriarcas de sucesso:

Surpreendida por uma gravidez não planejada, Giuliana Marques, que estava abrindo na época uma unidade da Park Education, rede especializada em educação bilíngue, criatividade e soft skills, precisou acelerar os processos operacionais para que a unidade já estivesse rodando antes do nascimento do filho. “Foi como se eu estivesse me preparando para ter dois bebês. Tinha uma carreira empreendedora anterior e estava para iniciar uma nova etapa, abrindo minha primeira franquia”, conta. Giuliana trabalhou até dois dias antes do parto e retornou ao serviço 15 dias depois. “Uma das salas virou meu local de amamentação e de apoio, meus funcionários me ajudaram muito, viramos uma grande família”, relata. Hoje com sete anos, o filho continua acompanhando de perto a rotina da mãe. “Ele participa como aluno, contribui nas celebrações e principalmente no feedback sincero sobre a estrutura”.  Para as mulheres que têm medo da maternidade e do empreendedorismo, Giuliana reforça: “realmente é bem difícil, mas as melhores coisas na vida são aquelas mais difíceis de conquistar”.

Já com Hérica Gusmão, foi diferente. Assim que retornou da licença maternidade, foi demitida. Com um novo plano e a vontade de empreender, escolheu uma franquia que lhe desse liberdade. Assim, optou pela PremiaPão, rede especializada em publicidade em sacos de pão. “Fiquei pensando como seria voltar a trabalhar na minha área e com grandes chances de dar plantão, optei por algo que entendi que seria melhor para mim e para minha família. Foi quando eu conheci a franquia e vi que se adequava perfeitamente às minhas expectativas: consigo acompanhar de perto o desenvolvimento da minha filha que tem 1 ano e 1 mês.”

Já Carina Soares de Oliveira, franqueada da Sofá Novo de Novo e mãe de duas crianças, entrou para a rede durante a pandemia com intuito de ter flexibilidade para poder ficar mais tempo com a família, um processo que ensinou bastante a ela. “Aprendi a me posicionar mais e hoje não me culpo e nem me cobro. Tenho tempo de qualidade com meus filhos, separei duas horas só para brincar com eles e é gratificante ver os benefícios na vida deles, como menos ansiedade e com mais foco na escola”. A mãe também conta que os pequenos adoram ajudar e já pensam em empreender. “Eles levam meus cartões de visita para o colégio, falam para as pessoas sobre meu trabalho e o meu primogênito faz aulas de robótica e programação de jogos e já tem como foco ter o próprio negócio no ramo da agricultura, construindo um robô”. 

O nascimento de Manuela foi muito desejado pela enfermeira  Ana Luiza Almeida. A bebê arco-íris, que chega após a perda de outro filho, chegou em plena pandemia e mudou completamente a vida da profissional que trabalhava no maior hospital de São Paulo. “A função demandava uma grande disponibilidade de tempo e ainda durante a gestação avaliei que não faria sentido voltar em meio à crise pandêmica depois de buscar tanto ser mãe”, explica. Assim, passou a pesquisar modelos de negócio que não pararam de funcionar durante o isolamento social e encontrou a rede de lavanderias self-service, Lavô. Após um ano dedicado à filha, o negócio foi inaugurado e, hoje, Ana Luiza, consegue prestar um serviço de qualidade aos clientes e ter tempo para fazer as refeições junto à filha, colocar para dormir, e estar presente no desenvolvimento da pequena que em breve completará 2 anos. 

Por sua vez, a advogada Rachel Melo é empreendedora há 22 anos, quando, junto com a mãe e a irmã, abriram a primeira unidade do Pello Menos, rede pioneira em depilação indolor no Brasil. A ideia veio da mãe, Antônia Melo, que até hoje se dedica na gestão de uma das três unidades que possuem. Hoje, com dois filhos, Rachel administra a unidade em Nova Iguaçu, no Rio de Janeiro, e divide seu tempo entre o negócio e a maternidade. “Eles cresceram vendo a correria e a minha dedicação ao trabalho e o meu papel de mãe, por isso sabem o quanto é difícil e desafiador. Hoje vejo meus filhos independentes, tolerantes e conscientes da importância do papel de cada um dentro do seio familiar.”

Dedicada à família, Eneide Gomes tinha medo de empreender até conhecer a CleanNew, rede especializada em higienização e blindagem de estofados. "Na época meus filhos tinham 14 e 10 anos e todo meu tempo era para eles e minha família. Tive que me adaptar, conciliar e hoje dedico os finais de semana para eles. E o melhor de tudo é que eles sentem maior orgulho de mim", comenta a empresária que hoje gerencia três operações nas cidades de Florianópolis, Balneário Camboriú e Criciúma, no estado de Santa Catarina.

A terapeuta ocupacional, Silvia Sales, decidiu investir na franquia Home Angels, rede especializada em cuidadores de pessoas supervisionadas, quando a avó foi diagnosticada com Alzheimer. Da ideia que surgiu de um problema familiar, tornou a solução, tanto no campo pessoal quanto no profissional. Quando ficou grávida, Silvia ficou insegura de como iria conciliar o trabalho com a maternidade, uma preocupação que se mostrou sem fundamento. “Foi bem diferente do que eu pudesse imaginar. Hoje eu tenho mais tempo para a minha família e para mim. Eu tenho mais tempo para pegá-lo na escola, fazer a lição de casa e brincar. Ter a franquia me proporcionou mais tempo de qualidade com meu filho.” 

Os sete anos de Marina Machado como gerente de marketing e eventos de uma grande empresa de bebidas foi marcado por muitas viagens (eram cerca de 5 voos por semana). Quando decidiu construir a própria família, percebeu que a rotina atribulada não se encaixava mais nos planos. O universo do franchising surgiu por uma amiga que indicou uma microfranquia de beleza e bem-estar que poderia ser administrada de casa, o SPA Express. Grávida do primeiro filho, a recifense começou as negociações em julho, em agosto foi mãe de João Pedro e em novembro inaugurou uma unidade da franquia em Aracaju. Hoje, além do primogênito, que vai completar 4 anos, é mãe de Lara, de 1 ano, e proprietária de mais duas unidades do SPA Express em Salvador e, o mais importante, com tempo para aproveitar a família. 

Formada em contabilidade e especialista em finanças, Nayara Sader trabalhou por 11 anos na controladoria de grandes empresas. Mesmo CLT, a profissional sempre manteve uma atitude empreendedora de buscar soluções e enxergar oportunidades, mas “para o CNPJ dos outros”, como brinca. A vontade de empreender partiu do esposo, Leandro Takano, que juntos foram conhecer o modelo de negócio do Emagrecentro, rede de emagrecimento e estética que está há 35 anos no mercado. Já são quase três anos se dedicando ao próprio negócio, praticamente a mesma idade de Arthur, primeiro filho do casal. Agora, prestes a se formar em Nutrição e com o empreendimento mais estabilizado, Nayara planeja dar início a um novo sonho: aumentar a família graças a autonomia conquistada com o empreendedorismo. 

Após ser desligada da empresa que trabalhava, com mais de 20 anos dedicados à educação, Patrícia Sprada, CEO do EcoCão Espaço Pet, entrou no mundo do empreendedorismo. A ideia de criar um espaço dedicado para o bem-estar de pets nasceu depois de perceber o incômodo dos próprios cachorros ao irem tomar banho no pet shop. Desde 2017, a experiência de trabalhar por conta própria fez com que Patrícia tivesse que conciliar a rotina familiar com os filhos, que hoje têm 28 e 23 anos, e o sonho de empreender. Além disso, Sprada divide suas vivências profissionais com a sua filha, que trabalha também na operação da franquia.  "Às vezes, precisamos fazer um exercício para poder gerenciar essa rotina. Ser mãe já é um grande desafio, ser mãe e empreendedora é um desafio dobrado”, conta.