Especialista em prótese mamária esclarece mitos e verdades sobre a cirurgia estética mais procurada no mundo


O implante de silicone é a cirurgia plástica mais realizada no mundo, com quase 1.8 milhão de procedimentos ou 15,8% do total de cirurgias realizadas. Porém, mesmo com a alta demanda, as pacientes ainda possuem muitas dúvidas, o que as levam a adiar o procedimento por falta de informações.

Segundo o médico especialista em cirurgia plástica, Bruno Legnani, as principais dúvidas com relação ao implante de silicone são acerca de alguns mitos, muitas vezes sem qualquer fundamento científico. “A informação é a nossa maior aliada, principalmente quando o assunto é saúde, por isso, quem está interessado em fazer um procedimento estético deve procurar entender a fundo suas dúvidas por meio de fontes confiáveis e buscar um profissional que seja reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP)”, afirma.

Para o médico, temas estéticos e funcionais, como inseguranças acerca da eficácia do silicone para combater a flacidez, possibilidade de a prótese estourar, cicatrizes, amamentação pós silicone e possibilidade de doenças atreladas ao procedimento, estão entre as perguntas mais frequentes entre as pacientes. “Mesmo sendo um procedimento rápido e tranquilo, é fundamental que as mulheres estejam 100% seguras com qualquer tema antes de passar pela cirurgia.”


Legnani lista algumas questões frequentes que podem ajudar no momento da indecisão:


O procedimento corrige flacidez?

A prótese não é capaz de corrigir a flacidez. A técnica que possui esse objetivo é a mastopexia;


O seio perde a sensibilidade?


Em geral, a sensibilidade retorna com o passar dos meses;


Dificulta a amamentação?


A simples colocação do silicone não bloqueia as glândulas mamárias, fazendo com que não interfira na maioria das pacientes. No caso da mastopexia, as glândulas podem ser interrompidas, por isso, a importância de conversar com seu médico antes do procedimento;


A prótese pode causar câncer de mama?


Não há nenhuma confirmação que relacione o procedimento com o câncer de mama. Mesmo com as próteses, é importante visitar o médico frequentemente e fazer exames de rotina, como a mamografia;


A prótese pode romper ou estourar?


Essa é uma complicação muito rara e o risco de uma prótese estourar na maioria das vezes vem junto com um trauma grande, como uma queda ou acidente que impacte a região do tórax;


A prótese precisa ser trocada?


Assim como qualquer material, o silicone pode sofrer desgaste natural, sendo necessária a troca entre 10 e 20 anos, que é indicada depois de exames de rotina ou incômodo da paciente;


Bruno Legnani é especialista em cirurgia plástica estética, reparadora e microcirurgia, com residência médica em cirurgia plástica e microcirurgia pelo Instituto Nacional do Câncer e fellow internacional em cirurgia plástica estética na Akademikliniken, na Suécia.