Empresária acusa motorista de aplicativo de sumir com entrega de salgados e doces para festa de casamento

 

Reprodução (Arquivo Pessoal)

Ana Maria dos Santos, uma empresária de Belo Horizonte, disse que sofreu um golpe de um motorista de aplicativo, que teria sumido com mil salgados e 150 bem-casados que deveria ter entregado para a uma festa de casamento com 200 convidados, ocorrida no último sábado (14). 

Segundo a empresária de 52 anos, o motorista avisou que não encontrou ninguém para receber o pedido na entrega e que a Uber disse que ele deveria então se desfazer das mercadorias, já que não conseguiu entregá-las.

Em entrevista ao BHAZ, Ana Maria disse que o local da festa tem acesso facilitado. "Uso o Uber há algum tempo e nós estávamos com um casamento acontecendo no Hotel Fazenda Confins, a 45km de BH, acesso super fácil. Precisa nem colocar endereço, só jogar o nome do hotel e qualquer aplicativo já te leva para lá. Não tem nem estrada de terra". 





A empresária registrou um Boletim de Ocorrências na PM e explicou que o pedido foi feito de última hora, pois os noivos tinham esquecido dos bem-casados.

"No horário de chegada ele não chegou. Passando 10 minutos, nós acionamos ele através do aplicativo. Da primeira vez ele atendeu e falou que já tinha entregue para uma moça. Nós então falamos que não, que a entrada do hotel é toda monitorada por câmera e ele desligou a ligação. O segurança do evento ligou de novo, ele atendeu e falou que estava perdido e também caiu a ligação", contou ela.

Depois do BO, a empresária conseguiu o telefone do motorista, mas ele alegou que a comida estragou e que seguiu determinação da Uber, além de denunciá-la no aplicativo por "comportamento agressivo". 

 “Se tem que resolver é com o aplicativo, né comigo não. O próprio aplicativo mandou descartar a mercadoria, entendeu? Eu estava a trabalho também, eu não podia rodar com aquilo dentro do carro não. Outra coisa, ficou dentro do carro estragou, dentro do porta-malas. Eu não tenho culpa não, minha senhora, você resolve é com o aplicativo não é comigo não”, disse o motorista, em uma mensagem de áudio.

Ela também reclama que não conseguiu suporte da Uber e a empresa só entrou em contato depois, dizendo que retornaria o valor da corrida, de R$ 74,91, mas não tem responsabilidade sobre o que é transportado - o prejuízo avaliado é de R$ 2 mil.

Nota da Uber

A Uber está à disposição das autoridades competentes para colaborar, nos termos da lei. É importante ressaltar que, no Uber Flash, usuários podem solicitar a motoristas parceiros viagens para o transporte de objetos como pacotes, presentes, documentos e outros artigos pessoais, de porte médio ou pequeno, que possam ser acomodados com segurança no porta-malas do veículo.

Não é permitido enviar itens de valor ou cujo transporte seja proibido por lei ou pelas regras da categoria. Itens essenciais e/ou com valor superior a R$ 500 não podem ser transportados, de acordo com os termos de uso da modalidade de serviço. Antes de cada solicitação, as regras do Uber Flash são exibidas no aplicativo para que o usuário possa verificar e concordar antes de seguir com o pedido”.

Leia também...