"Anjos me ajudaram" diz mulher que desceu montanha com cachorro de 55 quilos nas costas após resgata-lo



Quando Tia Vargas começou uma caminhada na quinta-feira de manhã em homenagem ao filho, ela não fazia ideia de que um novo membro da família voltaria para casa com ela.

Vargas tem um jovem de 17 anos que está superando problemas com drogas e distubios de saúde mental em um campo de bem-estar no Arizona. Como parte do programa, Vargas foi incentivado a participar de atividades desafiadoras para ajudar a se relacionar com seu filho, que está trabalhando na conquista de suas próprias dificuldades.



"Uma das coisas que ele disse foi descobrir quantos quilômetros você pode andar e dobre- lo", disse ela ao EastIdahoNews.com. "Então eu decidi que eu ia caminhar"

Em 5 de julho, Vargas e seu pai começaram a extenuante caminhada de sete milhas fora de Driggs por volta das 8:40 da manhã. Vargas diz que ela correria um pouco da distância e depois se viraria para encontrar seu pai, que andava pela trilha, e depois caminhava de volta com ele.


"Eu fiz isso cerca de seis vezes. Eu estava muito cansado, então meu pai e eu continuamos nossa caminhada", lembra Vargas. "Depois de um tempo, eu vi algumas pessoas passando com um cachorro e perguntaram se ele era meu. Ele estava mancando tão mal e muitas vezes ficava lá e não queria se mover."

Outros na trilha queriam chegar ao topo da montanha e não estavam interessados em cuidar de um cão ferido, então Vargas tomou uma decisão de mudança de vida.


"Peguei o cachorro, coloquei-o nos meus ombros e o levei até onde meu pai estava", diz ela. "Ele riu e disse: 'Você não acha que essa caminhada é difícil o suficiente, então você tem que pegá-lo e carregá-lo para baixo?'"

O cachorro, um inglês springer spaniel de 4 anos, pesava cerca de 55 quilos e Vargas sabia que a tarefa de levá-lo para a segurança era toda sobre ela. Não havia mais ninguém para ajudar.


"Nós subimos o rosto (da montanha), mas decidimos que a trilha huckleberry seria mais fácil de descer porque não é tão íngreme", diz ela. "Mas Huckleberry tinha neve que temos que andar e havia detritos e galhos por toda parte."


Vargas, seu pai e Boomer (o cão) se perderam duas vezes, começou a chover, e ervasças altas e afiadas arranharam suas pernas durante partes da viagem. Eles acabaram do lado errado de um rio e, em certo momento, tiveram que deslizar neve em suas extremidades traseiras.

"Chegou um ponto em que eu estava à beira das lágrimas pensando: 'Eu tenho que tirar esse cachorro. Não posso mais fazer isso'", diz Vargas. "Eu estava com dor de cabeça, meu pescoço doía, minhas pernas estavam com dor – eu só não achava que poderia continuar."


"Eu fiz uma oração e literalmente senti que alguém veio por trás de mim e tirou o cachorro dos meus ombros. Eu senti que meus ancestrais ou Deus me enviaram anjos para me ajudar a carregar esse cão porque é como se o peso tivesse sumido do meu pescoço. Fiquei olhando atrás de mim para ver quem tinha levantado o cachorro, mas ele ainda estava lá", diz ela.

Por volta das 18h,. mais de nove horas depois que ela começou a caminhada, Vargas, seu pai e Boomer chegaram ao caminhão. Ela pegou o bilhete da prancha e levou o cachorro para casa para comer e descansar.

Vargas ligou para os donos de Boomer e soube que eles estavam caminhando no dia 4 de julho quando o cão se afastou.

"Ele saiu em uma fenda de neve, perdeu o pé e caiu 30 metros antes de rolar 200 pés", diz Vargas. "Eles foram encontrá-lo, mas ele tinha ido embora. Eles assumiram que ele tinha subido sob um arbusto e morreu porque não há nenhuma maneira que ele poderia ter sobrevivido a isso. Ele é um cão milagroso."

Mas Boomer sobreviveu e uma visita ao veterinário revelou que ele só tinha alguns ligamentos rompidos.



Vargas acredita que há uma razão para Boomer ele ainda estar vivo, uma razão pela qual ela estava caminhando naquele dia e uma razão pela qual ela foi capaz de levar o cão para baixo da montanha, mesmo que ela estivesse fisicamente exausta.

"Não tenho dúvidas de que Deus me colocou lá. Não tenho dúvidas. Esse cachorro teria morrido", diz ela. "Eu estava cansado, minhas pernas estavam trêmulas"

Há mais uma coisa que Vargas acredita: que Boomer está destinado a se juntar à família dela.

Ao falar com seus donos, ela soube que ele foi recentemente vendido como um cão de caça para uma família em Boise, mas eles provavelmente não o iriam mais querer com os ligamentos rompidos. Então ela perguntou se podia ficar com ele e eles concordaram.

"Ele deveria estar em nossa família. Ele não desiste e estou tão feliz por estar lá naquele dia", diz Vargas. "Estamos todos aqui para ajudar um ao outro e estou feliz por poder ajudar."

Leia também...