Casado e pai, pastor preso culpa 'cupido' em cartas de amor para menina de 12 anos

O pastor de 38 anos que foi preso após confessar manter um relacionamento com uma menina de 12 anos, em Itanhaém, no litoral de São Paulo, escrevia cartas de amor à menor de idade e chegou a compor algumas músicas. Segundo o homem, os dois se envolviam há aproximadamente dois meses.

De acordo com a polícia, o pastor é casado, tem uma filha, e a família não sabia sobre o envolvimento dele com a menor. Diante da situação, as testemunhas teriam informado sobre o relacionamento à mãe da vítima e, depois, seguido à unidade policial.

A partir do relato que configura crime, equipes de polícia foram até o endereço da família da vítima de 12 anos. A mãe conversou com a filha, que confirmou a situação, afirmando ter mantido relações sexuais, sem preservativo, com o pastor em dois encontros.

Segundo o investigador à frente do caso, o religioso se encontrava com a menor nos fundos de uma casa em construção, que fica em frente à residência da vítima.

Em uma carta, o pastor descreve o caminho que faria, por onde passaria e em que horário, para que a menina de 12 anos pudesse localizá-lo. "Vou passar em frente ao ponto 13h40, vou passar reto, sentido para trás dos prédios", descreve. Abaixo, o homem desenha uma espécie de mapa que mostra uma praça e o caminho que ele faria. "Te amo", finaliza.

Em outro bilhete, feito pelo pastor, ele ordena a menina de 12 anos a não deixar outras pessoas verem o recado. "Eles viram eu fazendo esse desenho e queriam saber para quem era", relata.

Uma das cartas, obtidas pelo g1, mostra um poema, que seria também uma letra de música, feita pelo pastor de 38 anos em homenagem à criança, intitulado "Culpido maluado". Os versos iniciam com o homem lamentando que havia sido vítima de um "culpido maluado".

"Eu te amo tanto que não sei o que fazer [...] Eu fecho os olhos e te vejo [...] Quero um futuro com você, se não for assim, não quero mais viver", declara.
Nos versos, o pastor afirma saber que a relação com a menina é errada, e culpa o suposto "cupido que não mirou direito".

"Não sei o que fazer, mas eu quero arriscar perder minha liberdade só por esse amor
Se tiver que viver preso, que seja em você
Pois não vai ter grade ou prisão que pode reverter
A força desse amor é a mesma de um vulcão
Quando explode, meu peito entra em erupção
A "graça" --> tem um segrego aqui em minha vida, alcançou
Naquela areia ficou a marca do nosso amor", escreveu o pastor evangélico à menina.

No mesmo papel, o homem ainda diz que a música foi feita cinco dias depois do "dia 27", e cravou que "um dia será cantada para o mundo inteiro ouvir".

Ainda na carta, o homem de 38 anos, casado e com filhos, confessa saber que o relacionamento com a menina de 12 anos não era permitido. "Eu sei que tudo isso é proibido. A culpa foi daquele cupido", escreveu.