Polícia apura se 'maníaco sexual’ de Jundiaí cometeu outros crimes



A Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Jundiaí irá apurar outros possíveis crimes de estupro praticados por um homem de 29 anos, , preso na semana passada sob a acusação de abusar de uma mulher de 40 anos, conforme divulgado pelo Imprensa Policial na última sexta-feira (7).

Pelo relato da vítima, o detido seria um maníaco sexual que a fez viver momentos de terror após abordagem enquanto ela caminhava, durante a madrugada, para o trabalho.

Segundo a mulher, o acusado chegou a dizer que faria um “ritual” enquanto a mantinha à força no banco traseiro do carro que ele dirigia, logo depois de abordá-la pedindo informações, descer do carro e persegui-la a pé.

Ela disse ter sido jogada no chão pelo homem, que ainda pisou em sua cabeça e a fez desmaiar, acordando no banco traseiro do veículo do desconhecido. Esse, no entanto, seria apenas o começo dos momentos de terror que viveria.

De acordo com a mulher, houve novo desmaio no carro, com ela acordando em um motel no exato instante em que estava sendo estuprada e agredida. Afirmou que não reagiu, pois foi ameaçada de morte durante todo o tempo.

Ao fim do abuso, segundo ela, o maníaco ainda a obrigou a pagar o motel com pix, dizendo que a deixaria em um hospital na avenida Jundiaí. Foram até a instituição médica, mas, na frente, ele decidiu ir embora, pois o local estaria “muito cheio”.

Ela contou que o desconhecido garantiu, então, que a levaria até o Plantão Policial, orientando-a a registrar um boletim de ocorrência de roubo, mas que novamente mudou de ideia e a levou a uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento), parando antes em um posto de combustíveis, onde a obrigou a pagar pelo abastecimento, novamente por pix. 


Não vai sair


De acordo com a vítima, ao ser atendida na UPA, bastante machucada, ela aproveitou para contar que o homem que a acompanhava – ele entrou junto com a mulher - era, na verdade, um estuprador, o que fez com que funcionários o impedissem de deixar o local.

Seguranças agiram imediatamente e impediram a saída do homem, que teria se alterado ao perceber que não poderia ir embora antes da chegada da Polícia Militar. Já na DDM, para onde foi levado, ele decidiu permanecer em silêncio.

Fonte: Imprensa Policial

Postar um comentário

0 Comentários