Podcaster antivacina morre de Covid após se contaminar em evento conspiratório

Reprodução YouTube


O podcaster norte-americano Doug Kuzma, de 61 anos, faleceu no último dia 3, após passar 10 dias internado por complicações de Covid-19. Ele contraiu o vírus no ReAwaken America (algo como "Despertar novamente América) realizado em Dallas no fim de semana de 11 de dezembro.

O evento de dois dias, dirigido pelo conservador apresentador de podcast Clay Clark, se apresentou como uma conferência para falar sobre a liberdade de vacinas e liberdade religiosa junto com “fraude eleitoral, fraude médica e fraude da mídia convencional”, entre outros tópicos.

Kuzma postou imagens da conferência que mostraram grandes multidões. Uma imagem tinha como legenda "sala de podcaster tomada por pessoas. Caos".





Mais tarde, ele relatou que se sentiu mal, mas afirmou que era apenas sua bronquite crônica, mas no dia 15 de dezembro, disse que estava com febre e precisaria chamar um médico. 

Alguém comentou que ele deveria fazer um teste de Covid, mas Kuzma respondeu "de jeito nenhum" e acrescentou: "Vou morrer em casa antes de ir para o hospital".

No entanto, após sofrer de febre por cinco dias, Kuzma admitiu que provavelmente contraiu o vírus.

Ele foi encontrado inconsciente em sua casa na véspera de Natal e levado às pressas para o hospital e imediatamente internado. 

A mensagem final que Kuzma enviou foi supostamente uma foto dele mesmo com uma recarga de ivermectina, disse o meio de comunicação referindo-se a um colega membro da rede de podcast.

O medicamento não foi aprovado para o tratamento de Covid e é mais conhecido como vermífugo de cavalo.

Ele apresentava programas com seus amigos que eram conhecidos por promover teorias da conspiração.

Kuzma cobriu tópicos como QAnon e negação da Covid, bem como discutiu fraude eleitoral.

Ele mostrou apoio ao QAnon, uma teoria da conspiração de extrema-direita, criada nos Estados Unidos, que alega haver uma cabala secreta, formada por adoradores de Satanás, pedófilos e canibais, que dirige uma rede global de tráfico sexual infantil e que esteve conspirando contra o ex-presidente Donald Trump e os seus apoiadores, durante o seu mandato.

Fonte: The Sun

Postar um comentário

0 Comentários