Polícia fecha fábrica de colchões que estava usando máscaras descartadas como 'recheio'



A polícia invadiu uma fábrica de colchões no distrito de Jalgaon, em Maharashtra, encontrada usando máscaras descartadas, no lugar de algodão ou outro material, para encher seus produtos.

Uma ação foi movida contra o proprietário da unidade e a polícia iniciou uma investigação sobre o assunto. Pilhas de máscaras também foram recuperadas nas instalações da fábrica de colchões.

As máscaras faciais usadas, encontradas espalhadas pelas instalações, foram incendiadas de acordo com as normas prescritas.

O assunto veio à tona quando a delegacia de polícia da Maharashtra Industrial Development Corporation (MIDC) em Jalgaon foi alertada sobre o barulho. Jalgaon está localizada a cerca de 400 quilômetros a nordeste da cidade de Mumbai.

“Quando os oficiais visitaram as instalações da fábrica na vila de Kusumba, em MIDC, encontraram um colchão cheio de máscaras usadas”, disse o Superintendente Adicional da Polícia, Chandrakant Gawali.

“Foi registrado um caso contra o dono da fábrica, Amjad Ahmed Mansoori. A polícia agora está investigando o envolvimento de outras pessoas na confusão”, disse SP Gawali.

A produção de máscaras faciais na Índia aumentou significativamente desde março do ano passado, quando o país estava produzindo 1,5 milhões de unidades por dia.

A pandemia Covid-19 sobrecarregou o já estressado sistema de gestão de resíduos da Índia. Dados divulgados pelo Conselho Central de Controle da Poluição (CPCB) revelam que mais de 18.000 toneladas de resíduos biomédicos relacionados ao coronavírus foram descartados apenas entre junho e setembro de 2020, incluindo luvas e máscaras faciais.

A Índia está passando por uma segunda onda feroz da pandemia, com o país relatando 1,68 lakh de novos casos de infecção apenas no domingo. Maharashtra foi responsável por 63.294 desses casos, juntamente com 349 mortes.

Na segunda-feira, a Índia registrou mais de um lakh novos casos pelo sexto dia consecutivo. A Índia agora é responsável por uma em cada seis infecções relatadas globalmente a cada dia.

Postar um comentário

0 Comentários