Caminhão com imagens e sons de animais sendo mau tratados chama atenção em SP

Quem circulou pelo trânsito de São Paulo no último domingo se deparou com uma cena impactante: um caminhão envelopado como se transportasse animais ao abate, com emissão de sons que retratam o sofrimento da viagem. Todos os dias, a cena real se repete para 16 milhões de animais que são levados até o frigorífico, só no Brasil.
A ação da Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB) teve o objetivo de chamar a atenção e fazer as pessoas refletirem sobre o que ocorre antes de a carne chegar aos seus pratos, bem como convidá-las a experimentarem uma alimentação vegana.
Enquanto o caminhão circulava por São Paulo, voluntários distribuíram cards com um QR Code. Ao apontar a câmera do celular para o código, as pessoas tiveram acesso a um site com informações sobre a indústria da carne e materiais que orientam a transição para uma alimentação livre de produtos de origem animal.
"Nossa ideia foi levar para quem estava na rua a conscientização sobre o sofrimento do animal criado para virar um produto e mostrar a realidade da indústria da carne. Ao abrir o site do QR Code a pessoa logo vê a frase 'Você pode mudar o destino deles!', é isso que a SVB acredita e aposta", explica a diretora executiva da SVB, Mônica Buava.
Diariamente, após nascerem e crescerem em espaços lotados e sofrerem durante toda a vida, bois e vacas, porcos e galinhas são colocados em caminhões para morrerem e abastecerem a produção de carnes no Brasil. Segundo o IBGE, só em 2020, a indústria abateu mais de 6 bilhões de frangos, bois e porcos. Isso significa a morte de 10 mil animais por minuto. No mundo, o número chega a 70 bilhões anualmente, isso considerando apenas os terrestres. Ao incluir os animais aquáticos chega-se a números de mais de 1 trilhão.
A SVB investe em iniciativas com o intuito de promover a reflexão do consumo de carne e alertar sobre a triste realidade desconhecida ou ignorada pela maior parte da sociedade. As ações são um convite para que cada pessoa impactada repense os hábitos e faça escolhas que salvem a vida dos animais.

Postar um comentário

0 Comentários