Vai faltar água? Sistema Cantareira entra oficialmente na faixa de restrição - Itupeva Agora

Agora

11/04/2021

Vai faltar água? Sistema Cantareira entra oficialmente na faixa de restrição

 O Sistema Cantareira, que abastece cerca de 7 milhões de pessoas na Região Metropolitana de São Paulo, passou a operar oficialmente na faixa de restrição. Nesta quarta-feira (3/11), o reservatório opera com 28,5% da capacidade.

São, ao todo, cinco faixas definidas pela Agência Nacional de Águas (ANA), as quais orientam os limites de retirada de água do sistema. A faixa de restrição é definida quando o sistema fica acima de 20% e abaixo de 30%.

Oficialmente, a ANA considera o último dia do mês anterior para definir o volume de água que a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) poderá retirar no mês seguinte.

Ao longo de outubro, por exemplo, a faixa era de alerta porque o mês de setembro terminou com 30,4%. Nesse grupo, a retirada pode chegar a 27 metros cúbicos por segundo (m³/s). Na faixa normal, a Sabesp pode retirar 33 m³/s. A faixa mais restritiva é a especial, quando o limite de retirada é 15,5 m³/s;

De acordo com a Sabesp, na prática, a nova faixa não altera a operação, tendo em vista que a companhia já opera há um ano com retirada de até 23 m³/s, porque esse volume atende a demanda.

Os dados da Sabesp mostram que choveu acima da média no Cantareira em outubro. Foram 166 milímetros (mm) no acumulado do mês. A média histórica é 122,3 milímetros. Mesmo assim, as águas não foram suficientes para compensar o sistema.


Brasil enfrenta Crise Hidrica


A crise hídrica de 2021 no Brasil teve como evento desencadeador a pior seca em 91 anos, que reduziu a níveis críticos os reservatórios das hidrelétricas do Centro-Oeste e do Sul, fontes de 70% da energia hidráulica do país, agravando a situação do país durante o enfrentamento a pandemia de COVID-19.

A crise teve impacto significativo na conta de luz dos consumidores, acionando o limite de cobrança da bandeira vermelha nos estados do centro-sul do país.

O rio Paraná, o maior da região centro-sul atingiu níveis nunca vistos desde 1940.A seca provocou o esvaziamento do rio Paranapanema, na divisa dos estados de São Paulo e Paraná.

Em pronunciamento, o ministro de Minas e Energia Bento Albuquerque, fez apelo aos consumidores pra reduzir o consumo de energia para evitar um apagão.

O mercado de geradores e painéis solares foi aquecido no período com crescimento de 70% na demanda por fontes alternativas de geração de energia elétrica, como painéis solares e grupos geradores à combustão.


Estado teve grande crise entre os anos de 2014 a 2016


Em 2014 no estado mais populoso do Brasil, os níveis de seca e redução de oferta de água atingiram níveis preocupantes e poucas vezes vistos na história do local. Um dos símbolos desta crise foi a diminuição drástica do Sistema Cantareira, imenso reservatório administrado pela Sabesp e responsável pelo abastecimento de água de cerca de 8,8 milhões de pessoas. A seca na Região Sudeste, em associação a fatores ligados à infraestrutura e planejamento, foi responsável pela pior crise hídrica enfrentada pela região.N época a atuação da Sabesp na crise foi criticada em um artigo publicado pela revista PLOS ONE. A partir de dados da própria empresa foi constatado que a gestão dos recursos hídricos pela Sabesp foi uma das principais responsáveis pela crise.

Devido a sucessivas baixas históricas no início de 2014, a Agência Nacional de Águas (ANA) e o Departamento de Água e Energia Elétrica de São Paulo (DAEE) determinaram uma redução da vazão máxima de captação de água do sistema, de 31 para 27,9 m3/s, a partir de 10 de março de 2014. Para atender esta determinação, a Sabesp utilizou água dos sistemas Guarapiranga e Alto Tietê para abastecer clientes antes atendidos pelo sistema Cantareira.

Em 1 de fevereiro de 2014, a Sabesp anunciou um programa de descontos, válido de fevereiro a setembro, para incentivar a redução do consumo de água de clientes atendidos pelo sistema Cantareira. Clientes que reduzirem em ao menos 20% o consumo em relação à média dos 12 meses de 2013 terão desconto de 30% na conta.

Em 17 de março de 2014, a Sabesp iniciou obras nas represas de Nazaré Paulista e Joanópolis, orçadas em 80 milhões de reais, para captar o chamado "volume morto", uma reserva de 300 bilhões de litros de água que fica abaixo do nível das atuais comportas e que é capaz de abastecer a região metropolitana de São Paulo por 4 meses.

Em 18 de março de 2014, o então governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, pediu autorização para retirar água do Rio Paraíba do Sul e colocá-la no sistema Cantareira. Essa autorização deve ser analisada pela Agência Nacional de Águas já que o Paraíba do Sul é um rio interestadual e é utilizado para abastecer o estado do Rio de Janeiro.

Em 31 de março de 2014, o governo de São Paulo e a Sabesp anunciaram a ampliação, a partir de 1 de abril, do programa de descontos nas tarifas de água e esgoto para todos os 31 municípios da região metropolitana de São Paulo atendidos pela empresa .

Em 21 de abril de 2014, durante evento na cidade de Franca, o governador Geraldo Alckmin anunciou que a Sabesp a partir de maio utilizará também 500 litros de água por segundo do Sistema Rio Grande para abastecer clientes antes atendidos pelo sistema Cantareira. Também a partir de maio, clientes da Grande São Paulo que tiverem consumo acima da média dos 12 meses de 2013 terão que pagar multa de 30% na conta.

A partir de 1 de maio, a Sabesp ampliou para mais 11 cidades o programa de desconto de 30% para quem consumir pelo menos 20% a menos do que a média de consumo de 2013, mas para estas cidades não está prevista multa caso haja aumento no consumo. As cidades são: Paulínia, Morungaba, Monte Mor, Hortolândia, Itatiba, Pinhalzinho, Bragança Paulista, Piracaia, Nazaré Paulista, Joanópolis e Vargem.

Em 15 de maio de 2014, devido ao prolongado período de secas na região que abastece o Sistema Cantareira, seus reservatórios atingiram 8,2% de sua capacidade utilizável, o pior nível desde 1974, ano em que foi criado.

Em 24 de outubro de 2014, o nível dos reservatórios do sistema Cantareira, incluindo a primeira cota da reserva técnica, atingiu 2,9% de sua capacidade. Neste dia a Sabesp incorporou a segunda cota da reserva técnica à medição do nível dos reservatórios do sistema Cantareira. Esta segunda cota possui um volume total de 105 bilhões de litros e adicionou 10,7 pontos percentuais ao nível medido.

A atuação da Sabesp diante da crise hídrica de 2014 em São Paulo é criticada sob o argumento de que sua gestão dos Sistemas Cantareira e Alto Tietê está levando os reservatórios de água da cidade de São Paulo à exaustão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Notícias relacionadas