Jovem é estuprada em trem e passageiros, em vez de ajudarem, fazem fotos e vídeos - Itupeva Agora

Agora

10/19/2021

Jovem é estuprada em trem e passageiros, em vez de ajudarem, fazem fotos e vídeos



Na noite de quarta-feira (13), enquanto uma mulher estava sendo estuprada em um trem perto da Filadélfia, os passageiros observaram, não intervieram e não ligaram para a polícia.

Um homem que as autoridades identificaram como Fiston Ngoy sentou-se ao lado de uma mulher por volta das 22 horas  e "tentou tocá-la algumas vezes", disse Andrew Busch, porta-voz da Autoridade de Transporte do Sudeste da Pensilvânia.

A mulher recuou e tentou impedir o Sr. Ngoy de tocá-la. “Então, infelizmente, ele começou a arrancar as roupas dela”.

O ataque durou cerca de oito minutos e nenhum passageiro do vagão interveio, contam as autoridades.

“Estou chocado com aqueles que não fizeram nada para ajudar esta mulher”, disse Timothy Bernhardt, superintendente do Departamento de Polícia. “Qualquer pessoa que estava naquele trem tem que se olhar no espelho e perguntar por que eles não intervieram ou por que eles não fizeram algo.”

O Sr. Ngoy, 35, foi acusado de estupro, agressão sexual agravada por ser sem consentimento, entre outros crimes. As autoridades disseram que Ngoy estava sem teto e não estava armado durante o ataque. Ele esta detido na Cadeia do Condado de Delaware

“Queremos que todos fiquem com raiva, nojo e se juntem a nós para sermos resolutos em manter nosso sistema seguro”, disse o chefe da Polícia de Trânsito, Thomas Nestel III, em entrevista coletiva. “Precisamos que o público nos avise quando vir algo que pareça incomum”.

Vários passageiros estavam no vagão, e segundo a investigação, embora não houvesse "dezenas de pessoas" havia o suficiente para que, "coletivamente, eles pudessem ter se reunido e feito algo".

O investigador acrescentou que receberam relatos de alguns passageiros gravando o ataque em seus telefones.

Por fim, um funcionário da autoridade de transporte entrou no trem, viu o que estava acontecendo e ligou para a polícia.

Então, um “policial correu para o trem, pegou esse homem em flagrante e o levou sob custódia”, disse o porta-voz.

As imagens de vigilância que as autoridades estão analisando não contêm áudio, disse Bernhardt. Mas, com base nas imagens que ele analisou, ficou claro que os passageiros tiveram a oportunidade de intervir.

A mulher contou às autoridades o que aconteceu depois que Ngoy estava sob custódia. Ela foi levada para um hospital e passou por exames.

“O que essa mulher suportou nas mãos desse cara foi inacreditável”, disse Bernhardt.

Os transeuntes no trem que não intervierem podem ser acusados criminalmente tanto por filmaram o ataque quanto por não ajudarem a vítima.

Alexis Piquero, criminologista da Universidade de Miami, disse que há vários motivos possíveis para que algumas testemunhas de crime não intervenham, como o medo de retaliação do perpetrador e a crença de que outra pessoa intervirá e ajudará.

“A responsabilidade recai sobre nós como um coletivo, porque nem sempre podemos contar com a polícia”, disse ele. “Temos que contar uns com os outros.”

Ao esperar a ajuda de outra pessoa, "estamos basicamente lavando as mãos e nos isentando dessa responsabilidade", acrescentou.

“Precisamos de um mundo onde as pessoas estejam fazendo a coisa certa ao ver alguém sendo agredido”, disse ele.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Notícias relacionadas