Idosa é cremada por engano depois que hospital troca os corpos no reconhecimento - Itupeva Agora

Agora

10/01/2021

Idosa é cremada por engano depois que hospital troca os corpos no reconhecimento

 

Josefa foi cremada por engano no lugar de Gecélia (Reprodução UOL)

Uma idosa de 69 anos foi cremada por engano no Rio de Janeiro. Segundo informações do UOL, a família denunciou que o hospital Municipal Ronaldo Gazolla teria trocado o corpo dela com o de outra mulher, na última segunda-feira (27). A denúncia foi feita por Ana Paula Figueira, filha de Josefa Figueira da Silva.

De acordo com Ana Paula, ela ficou sabendo da troca apenas dois dias depois, pela família da outra mulher. 

“Fui reconhecer minha mãe e, chegando lá vi que não era ela. Minha mãe tinha pavor a fogo e jamais gostaria de ser cremada, nunca na vida dela. O enterro, que estava marcado para as 15h30, não aconteceu e agora o hospital quer culpar uma senhorinha pelo reconhecimento”, disse ao UOL.





Ana contou que foi chamada para reconhecer o corpo, que na verdade era de Gecélia Barbosa, de 89 anos, que também faleceu vítima de Covid-19. 

"Os funcionários falavam ‘Tem certeza que não é ela? Porque muda depois que morre’. Quando o corpo sumiu e me chamaram para reconhecer outro, de cara a gente disse que não era minha mãe”, explicou ela, dizendo que a mãe jamais teria o desejo de ser cremada.

Já a filha de Gecélia, Jorgina Barbosa, contou que veio de Minas Gerais para a cremação da mãe no Rio de Janeiro e que não pôde vê-la corretamente no momento de fazer o reconhecimento. 





“Isso é inadmissível. Uma senhora fez uma viagem para reconhecer a mãe, teve menos de um minuto para fazer essa identificação com um fecho de 10 a 15 centímetros. É uma sucessão de erros, de negligências absurdas. Tanto o hospital quanto a funerária que recebeu o corpo de dona Josefa por engano são responsáveis. O problema só não foi maior porque a outra funerária decidiu abrir todo o saco e Ana Paula viu que aquela não era sua mãe. Se não fosse isso, ela também teria enterrado a pessoa errada”, disse a advogada da família de Gecélia, que aguarda liberação do corpo.

A assessoria do hospital afirma à reportagem do portal UOL que Gecélia Barbosa morreu na sexta-feira (24). No momento da liberação para sepultamento, feita no dia seguinte, um outro corpo foi apresentado à filha da paciente, que acabou fazendo o reconhecimento. Segundo o comunicado, as duas famílias foram notificadas na segunda-feira assim que o erro foi identificado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Notícias relacionadas