Ticker

6/recent/ticker-posts

Falso pastor é preso acusado de aplicar golpes, abusar e roubar vítimas


Um homem que se passava por pastor para aplicar golpes e roubas fieis, preso no Distrito Federal no último sábado (14), também está sendo investigado por estupro e cárcere privado de mulheres, conforme informou a Polícia Civil de Sergipe, que investiga o caso. 

O falso pastor fez vítimas em vários estados, como Sergipe, Maranhão, Mato Grosso do Sul e São Paulo, antes de ser preso após postar uma foto em um shopping de Taguatinga. De acordo com a investigação, ele planejava fugir para Portugal.





"Duas vítimas estavam acompanhando as redes sociais e ele postou fotos no shopping. A gente, com apoio do PMDF, fez a operação para prendê-lo o quanto antes", disse o delegado Hugo Leonardo Melo, da Polícia Civil de Sergipe à coluna Grande Angular.

As investigações sobre a atividade de Alailson Amorim, de 41 anos, começaram em fevereiro deste ano, quando um idoso denunciou um golpe envolvendo a venda de um carro com dívida de financiamento estimada em R$ 18 mil. 

A polícia concluiu que Alailson visitava cidades dizendo ser pastor itinerante, ganhava a confiança e depois aplicava golpes nas pessoas. Duas mulheres o acusaram de cárcere privado, uma delas disse que também foi estuprada.

Reprodução Facebook





Uma pastora de 42 anos disse que chegou a se casar com o falso religioso e que ele vendeu carro, imóveis e itens da igreja dela, além de retirar R$ 6 mil da conta. Antes de desaparecer, em junho deste ano, ele ainda levou roupas da pastora, notebook, pedestal e caixa de som da igreja, e mais R$ 1,5 mil em dinheiro, deixando a mulher com uma dívida de R$ 8 mil no cartão de crédito.

A polícia descobriu que Alailson, que mentia ser vinculado à Associação Nacional dos Pastores do Brasil e formado em direito e teologia, usava três perfis falsos nas redes sociais para ameaçar pessoas que ameaçavam denunciá-lo, o de um juiz de Sergipe, de um policial e de uma advogada.

Ele já tem passagem na polícia por ter furtado um veículo em 2012, em Japoatã (SE). Na época afirmou que foi um momento de fraqueza e que estava "possuído pelo demônio". 

Ele vai responder por furto, estelionato e apropriação indébita. 

Fonte Metrópoles.

Postar um comentário

0 Comentários

Leia e se divirta!