Ad Code

Ticker

6/recent/ticker-posts

Mulheres denunciam dentista que deformou rosto de pacientes em harmonização facial


Mulheres apresentaram denúncias contra a dentista acusada de enganar e deformar o rosto de pacientes em Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense. As denúncias apontam que a profissional prometia aplicar uma substância e aplicava outra mais barata. Segundo a investigação, a dentista usava PMMA nos procedimentos, uma substância legal, porém não recomendada no caso de harmonização facial.

Pelo menos 40 mulheres de todo o Estado relataram problemas após os procedimentos realizados pela dentista. Durante as investigações, a polícia também descobriu que, além de dentista, ela tinha ainda outras fontes de renda como funcionária pública em Campos e na cidade vizinha, São João da Barra.

"Ela oferecia às vítimas harmonização facial dizendo utilizar ácido hialurônico, que é um produto absorvível e temporário, e efetivamente utilizava o PMMA, que é uma substância inabsorvível e permanente que só se retira com cirurgia plástica", explica a delegada adjunta da 134ª Delegacia de Polícia, Nathalia Patrão.


De acordo com a delegada, a substância utilizada dava uma margem de lucro maior à dentista. "Onde ela gastaria cerca de 250 a 300 reais usando a substância certa, com a irregular ela gastava de 10 a 20 reais", conta.

A defesa da profissional alega que não houve irregularidade.

"Todos os materiais por ela utilizados, e isso é sem dúvida, são autorizados pela Anvisa. Ela tem plena convicção da correção de seus atos, até porque o cirurgião dentista tem autorização para trabalhar nesse segmento", defende o advogado da dentista, Eduardo Ferraz.

Uma das vitimas é a personal trainer Camilla Carvalho, de 35 anos, fazia procedimentos com a dentista em várias regiões do rosto desde 2018. Ela conta que os problemas começaram quando as aplicações foram feitas na boca e no nariz.

"Começou a aparecer caroços na minha boca e eu sempre fui em cima dela pra saber o que eram aqueles caroços e ela conseguia fazer com que eu acreditasse que eu que ocasionei aquele problema, que o meu corpo não aceitou o ácido, que eu deveria ter calma porque (a substância) iria se assentar", diz.

De acordo com Camilla, a dentista chegou a aplicar um produto nos lábios da paciente com a promessa de que ele diluiria a substância da harmonização, o que não aconteceu. "Todas as vezes que eu voltava ao consultoria para ela avaliar os caroços, ela aplicava um remédio dizendo que ia diluir os caroços e não diluía".


"Era uma dor insuportável e eu ficava com a boca deformada".

Pelo menos 40 mulheres de todo o Estado relataram problemas após os procedimentos realizados pela dentista. Durante as investigações, a polícia também descobriu que, além de dentista, ela tinha ainda outras fontes de renda como funcionária pública em Campos e na cidade vizinha, São João da Barra.

Diversas clientes relataram a insatisfação após os procedimentos frustrados.

"Eu passei a ser motivo de chacota. [Falavam] que minha boca tava igual de pato, que eu fui mordida por uma abelha", contou a personal trainer Camilla Carvalho.

"Eu não quis ver ninguém, com medo de questionamento: 'ah, pra quê você foi fazer isso? É tão bonita'. Então, eu preferi me isolar", disse outra vítima, a cabeleireira Lana Velasco.

Depois que as vítimas procuraram a polícia, o Ministério Público denunciou a dentista por lesão corporal gravíssima, estelionato e exercício ilegal da profissão.

Em nota, a defesa da dentista disse que "poucas pacientes tiveram alguma intercorrência dentro de um universo de quase dois mil procedimentos" e que "os produtos utilizados eram informados aos pacientes".

Apesar da afirmação da defesa, pacientes dizem que isso não é verdade.

"Em primeiro momento, ela é amorosa, ela entende o problema do outro. Então, ela realiza o procedimento. Quando a pessoa volta pra revisão e se queixa de alguma coisa, ela se transforma numa pessoa grossa, arrogante, debochada", disse Andréa Paes, advogada de 25 vítimas.

Postar um comentário

0 Comentários

Leia e se divirta!

Ad Code