Ad Code

Ticker

6/recent/ticker-posts

Confira as 6 principais soft skills exigidas no mercado de trabalho

 


A busca por inserção no mercado de trabalho exige das pessoas, cada vez mais, que elas estejam próximas a um padrão esperado. Claro que algumas características são pontos fundamentais para se destacar, mas, antes disso, é preciso se atentar a um detalhe: o fit cultural entre você e a empresa. O termo bastante utilizado nos dias de hoje, nada mais é do que entender se o comportamento do candidato está de acordo com o perfil da empresa. O mentor de donos de negócio, Thiago Shimada explica a ordem em que os itens devem ser considerados. “Se o fit cultural aconteceu, aí sim você parte para desenvolver soft skills”.

Mesmo que não seja a mais trivial das tarefas, entender e, principalmente, desenvolver as soft skills exigidas no mercado não é algo impossível de se alcançar. Para isso, Shimada destaca os 6 principais pontos que são solicitados hoje em dia e, para cada um deles, a sugestão de como lidar em seu desenvolvimento e melhoria.

 

1.Comunicação eficaz

Todo mundo reclama da comunicação, mas, dificilmente as pessoas assumem responsabilidade sobre isso. Muita gente é especialista em falar, mas poucas sabem ouvir. Então é natural que quando a pessoa está falando, as demais estejam conectadas com outras preocupações, com o que quer falar naquele diálogo. A solução para isso é a escuta ativa. Entender que isto é um processo em que você vai em direção a algo, que tem legítimo interesse no que o outro está falando. Sair da escuta ativa é trazer julgamento para a conversa e isso interrompe o processo de comunicação.

 

2.Empatia

Agir de forma empática é não ser agressivo e este é o segredo aqui. É escutar, tentar entender o que a pessoa está falando. Ao agir empaticamente, você leva a pessoa para um lugar positivo, a convidando a falar sobre o assunto. Você compreende, legitimamente, a informação, o porquê ela está falando e usa a empatia para processar o que ouve. Assim, você consegue dizer que está errado sem falar isso diretamente, com julgamento. Para isso é preciso muita maturidade e exercício.

 

3.Pensamento criativo

Por vezes as pessoas buscam isso, mas estão cristalizadas na realidade, na necessidade das empresas. Isso traz uma pobreza de entendimento do cenário completo e, por consequência, um empobrecimento da criatividade. A solução para que o pensando criativo volte a existir é focar na resolução da dor do cliente. Ao enxergar o que dói, de fato, aí sim é possível resolver aquele ponto.

 

4.Resiliência

O primeiro ponto aqui é diferenciar resistente de resiliente. No primeiro, você vê o problema, mas segura para passar por ele, independente do que isso custe. Já alguém resiliente, reconhece de forma legítima a dor e o que está havendo nesse processo. Aqui, a pessoa pode até sentir dor e desabar em alguns momentos, mas jamais desistir, o que é comum quando tratamos de resistência. A resiliência em si é um processo de manejo da dor, é algo contínuo. É enxergar que, em todo processo vivido, tem algo positivo e é nisso que o foco tem que estar, pois te auxiliará ao longo de todo caminho.

 

5.Liderança

Tem gente que acaba perpetuando o que é ruim: reproduz o que sofreu anteriormente, como liderado, tentando impor aquilo enquanto líder. A solução aqui é justamente entender que liderança é um processo de servidão. Quando o líder tem o pensamento de servir, não de ser servido, é natural que ele consiga desenvolver dentro dele mais maturidade, trazer mais coesão de time e, por consequência, performance. O líder é o responsável por unir o time e performar. Ele está servindo todo mundo, para que o coletivo funcione como deve.

 

6.Ética

Algumas pessoas têm uma moral volátil, que varia de acordo com ambiente, pressão, agentes envolvidos. Por isso, aqui, é importante citar o bushido, que traz um conjunto de regras e valores necessários para um samurai e é uma matriz inabalável da cultura japonesa. É preciso entender que nem sempre você vai ser o mais legal. Mas que sempre será honesto, verdadeiro, amoroso, respeitoso, independente do que você tem e do que você seja. Lembrar que não é o que conta, no fim, é o que você é, não o que tem.

 

Sobre Thiago Shimada

 


CEO da Academia da Marca e Mentor de Donos de Negócio. Com suas vivências no varejo, experiências no mundo do marketing e publicidade, e uma intensa dedicação no estudo de mentes empreendedoras, ele ajudou, ao longo de 7 anos, mais de uma centena de empresas, que variam de startups a companhias que figuram entre as 1000 maiores do Brasil. Seus esforços ainda ultrapassam a marca de mais de R$ 35 milhões de incremento no faturamento dos negócios de seus clientes.

Saiba mais: https://thiagoshimada.com.br/

https://academiadamarca.com.br/

Postar um comentário

0 Comentários

Leia e se divirta!

Ad Code