Um senhor de 77 anos de idade foi sequestrado, na noite de 22 de março, na porta de sua residência,  quando foi abordado por um homem que o levou para um veículo. Pouco tempo depois o filho da vítima recebeu ligação, que partia do telefone de seu próprio pai, na qual um homem informou sobre o sequestro, exigindo a quantia de R$ 400 mil como preço do resgate.

O fato foi comunicado à Polícia Civil, sendo solicitado o assessoramento da 1ª Delegacia de Polícia Antissequestro (Dope). As investigações e orientações na negociação se iniciaram e, no dia 24 de março, os criminosos libertaram a vítima, em Vinhedo, sem o pagamento do resgate.




Contudo, em que pese a libertação da vítima, os sequestradores continuaram efetuando as extorsões, e as investigações apontaram para um suspeito, que teve sua prisão temporária decretada, que foi cumprida nesta manhã (1º).

O preso, vulgarmente conhecido como “Bahia”, apontou outros comparsas. Um deles é um pedreiro que trabalhou para o idoso e passou informações relevantes à quadrilha, para realização do sequestro.

Dando continuidade às diligências, foram realizadas as prisões dos comparsas, em Itaquera e em Itupeva. Com eles foi apreendida a quantia de R$ 25 mil, fruto de pagamento da vítima que estava sendo extorquida, sem o conhecimento e orientação dos policiais da DAS.




As diligências também localizaram o cativeiro na região de Itupeva. Lá, foram presos R.R.S e I.A.S vigia do local.

O diretor do Departamento de Operações Policiais Estratégicas, Osvaldo Nico Gonçalves, aponta que um dos integrantes trabalhou para o idoso que faz tratamento de diálise. “Os três judiaram desse senhor de 78 anos, um deles foi empregado dele por mais de 20 anos, trabalha no ramo da construção. Impressionante, um ex-funcionário de 20 anos armar um sequestro para o ex-patrão.” A operação denominada Jandira, contou com a ajuda de membros da delegacia antissequestro.