O vereador Eduardo Custódio, conhecido como Duzinho, enviou oficio para a secretaria da Fazenda da cidade, solicitando um programa de auxilio econômico que seja similar aos de Campo Limpo Paulista e Louveira.

O Vereador declara que a medida pode reduzir o impacto sofrido pelo comércio e micro-empresário, dado ao fato da fase emergencial decretada pelo governador João Dória.




Como funciona o auxilio em Louveira?

Louveira (SP) pagará R$ 3 mil em auxílio emergencial para os comerciantes que foram obrigados a fechar as portas para cumprir as fases mais restritivas do Plano SP para enfrentamento à pandemia.

O investimento total é estimado em R$ 1,6 milhão pela prefeitura para “suprir a carência financeira dos estabelecimentos comerciais” que tiveram atividades impedidas nas fases vermelha e emergencial, e garantir apoio para que funcionem após a pandemia da Covid-19. Neste caso, os recursos são do próprio município e viabilizados com “abertura de crédito adicional” após aval do Legislativo.

Atividades beneficiadas

Restaurantes e lanchonetes
Academias de esportes e centros de ginástica
Bares sem entretenimento e bares com entretenimento que realizam shows e afins
Lojas de roupas e lojas de calçados
Lojas de variedades e quinquilharias
Cabeleireiros, barbeiros, manicures e pedicures




Requisitos

Além de fazer parte de alguma das atividades indicadas pela prefeitura, os comerciantes precisam atender aos seguintes requisitos para receber o benefício:
Demonstrar que exerce uma das atividades econômicas listadas em Louveira, há pelo menos um ano, e que esteja regularmente cadastrado na Secretaria de Finanças e Economia;
Demonstrar que possui contrato de locação do estabelecimento empresarial ou dos equipamentos utilizados na atividade econômica;
Declarar que tem carência financeira para manutenção do estabelecimento.
Em nota, o governo municipal destacou que, caso um dos estabelecimentos beneficiado descumpra normas sanitárias do Plano SP ou demais determinações da Vigilância Sanitária de Louveira, os valores recebidos terão que ser devolvidos de forma integral.