Ad Code

Ticker

6/recent/ticker-posts

Idoso com mais de 600 mil reais na conta é encontrado morto vivendo como mendigo


As poucas roupas estavam sujas. Reduzido a trapos e farrapos. O corpo quase escondido em um galpão de folhas e papelão. Pele e ossos. No cadáver os sinais de vida na rua. "Morto de dificuldades", dizem as poucas linhas do atestado de óbito assinado pelo médico legista. Morreu talvez na noite anterior, ou talvez no dia anterior. Porque ninguém sabe ao certo quais foram suas últimas horas de vida e nem mesmo as penúltimas.
Umberto Quintino Diaco, 75 anos, foi localizado às 17h45 da quinta-feira passada pelos agentes em Milão, na Itália. A morte de Umberto é uma história que parece incrível. Porque em suas contas bancárias os investigadores rastrearam mais de cem mil euros. E também 19 mil euros em ações e uma pensão de 750 euros por mês. Uma casa em sua cidade natal e duas vans registradas em seu nome, completas com seguro pago. E ainda 1.235 euros em dinheiro, escondidos em um envelope encontrado entre as roupas. Dinheiro que lhe teria garantido um lar, uma vida digna, um futuro diferente daquele a que ele próprio estava condenado. Como um eremita, um fantasma em uma cidade onde ele escolheu se deixar morrer. E onde o sistema de recepção não consegue encontrar uma forma de dar ajuda, apoio. Como acontece com tantos "obstinados" na rua que recusam qualquer oferta de ajuda.
Umberto sempre foi brigado com a família. Saindo de casa aos 17 anos, “Procuramos por ele, ele nunca quis ser encontrado”, contou a irmã Chiarina, única herdeira do montante no banco e dos bens. Populares que conheciam Umberto, contam que ele tinha alguns disturbios psicológicos, “Nunca pediu dinheiro nem aceitou comida” disse um homem que o conhecia. Ele havia sido denunciado várias vezes aos serviços sociais municipais, mas resistia a qualquer tipo de ajuda.

Postar um comentário

0 Comentários

Leia e se divirta!

Ad Code