Única do setor, empresa de gases de Jundiaí irá enviar oxigênio para hospitais de Manaus - Itupeva Agora

Agora

sábado, 16 de janeiro de 2021

Única do setor, empresa de gases de Jundiaí irá enviar oxigênio para hospitais de Manaus

Uma empresa de Jundiaí (SP) afirmou que vai enviar 300 cilindros de oxigênio para hospitais de Manaus (AM) nos próximos dias.

O sistema de saúde amazonense entrou em colapso depois do número de internações por Covid-19 bater recorde. As unidades de saúde da cidade ficaram sem oxigênio e pacientes estão sendo enviados para outros estados.

A Indústria Brasileira de Gás (IBG), que tem sede em Jundiaí, firmou uma parceria com um grupo de empresários e estuda a melhor forma de transportar os cilindros de oxigênio até Manaus.

Em entrevista ao TEM Notícias, o presidente Indústria Brasileira de Gás (IBG), que tem sede em Jundiaí, informou que firmou uma parceria com um grupo de empresários e estuda a melhor forma de transportar os cilindros de oxigênio até Manaus. Ele explicou as dificuldades em encontrar uma logística adequada para o transporte do produto.

Manaus vai transferir bebês prematuros para outros estados; governo de SP oferece leitos

"Por estrada é complicado o acesso e leva muito tempo. Nós não podemos permitir que vidas sejam ceifadas assim. Então, temos que levar por via aérea. Porém, no Brasil nós não temos como colocar uma carreta com produto no estado criogênico dentro de uma aeronave, por conta do tamanho", diz Newton de Oliveira.

De acordo com uma pesquisa feita pela indústria, o hospital de Manaus necessita de, pelo menos, 57 mil metros cúbicos de oxigênio por dia.

Newton disse que a empresa está em contato com o Hospital Sírio Libanês e com a equipe da Câmara Brasil-China. Juntos, estudam a possibilidade de trazer um super cargueiro dos Estados Unidos para que, assim, possam enviar uma grande quantidade de oxigênio.

"Levar esse produto em cilindros seria muito complicado porque vai demandar uma quantidade muito grande de cilindros. O oxigênio, quando tá no estado líquido, reduz em 80% o seu volume. Por isso, o nosso interesse é tentar levar no estado líquido e em carretas criogênicas", explica o presidente.

Fonte: G1. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Notícias relacionadas