Homem é condenado após "fingir demência" para que garotas jovens trocassem suas fraldas - Itupeva Agora

Agora





quarta-feira, 16 de dezembro de 2020

Homem é condenado após "fingir demência" para que garotas jovens trocassem suas fraldas

Um homem de 30 anos condenado por fingir ser deficiente para que mulheres trocassem suas fraldas, foi liberado para liberdade condicional nessa segunda-feira (14/12). 
O caso aconteceu no final de 2019 em Louisiana, Nova Orleans (EUA). Na epóca, Rory postou em um aplicativo de vagas de empregos uma oportunidade para o cargo de cuidadora, ele dizia que a baba deveria cuidar de seu irmão deficiente enquanto ele estivesse no trabalho. Uma estudante universitária de 20 anos concordou com as tarefas, por mensagens Rory disse que seu irmão de nome "Cory" presiva aprender a trocar fraldas. O problema é que Rory e Cory eram a mesma pessoa. A babá desavisada cuidou de Rory por dez vezes. Segundo a baba, Rory ficou excitado enquanto ela trocava as roupas dele.
Ela ficou alarmada quando o homem que a contratou se recusou a se encontrar com ela, e em vez disso, pagou o serviço por meio do Apple Pay. A mulher olhou o histórico de pagamentos e viu um perfil com o nome Rory Deas apresentando uma foto do homem que ela conhecia como Cory. Ela relatou o suposto engano ao site de vagas, que encerrou a conta de Deas. A mulher também ligou para a polícia. Após ser preso, Deas negou obter prazer sexual nos encontros. Ele alegou ter sofrido traumas de infância e disse que ser tratado como um bebê 
No entanto, outras mulheres que também aceitaram o trabalho, também o denunciaram por ele ter ficado excitado durante as trocas de fraldas. Seus advogados argumentaram que Deas luta com problemas de saúde mental e abuso de substâncias, que ele disse serem decorrentes de traumas sexuais infantis.
Ele pagou fiança em abril e se confessou culpado na segunda-feira. O juiz do Tribunal Distrital Criminal de Nova Orleans, Hunter Harris, deu a ele cinco anos de liberdade condicional.
Durante sua liberdade condicional, Deas é obrigado a trabalhar, ficar longe das redes sociais, assistir a aconselhamento sobre dependência de internet e fazer 400 horas de serviço comunitário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Notícias relacionadas