Halloween - O dia em que ET`s visitaram Itupeva - Itupeva Agora

Agora

sexta-feira, 30 de outubro de 2020

Halloween - O dia em que ET`s visitaram Itupeva

Em abril de 1997, na madrugada de domingo do dia 26, os ponteiros marcavam 00h45, o céu tinha muito mais a mostrar para o senhor Roque Ming e dona Maria (sua esposa) do que apenas um tapete de estrelas. O casal havia acabado de chegar de uma festa de casamento, quando eles avistaram no ponto mais alto da propriedade uma luz forte. O clarão se dirigiu-se na direção do casal, ficando, de acordo com o relato, em uma distância de cerca de um metro do sr. e sra. Ming.



-Daquele clarão, que chamaremos de OVNI (Objeto Voador Não Identificado) com a dimensão de um fusca, desceram dois seres que aparentemente não são deste mundo, os chamaremos de extraterrestres, saindo do OVNI um após o outro, eles eram, de acordo com a descrição dada pelos sr. Ming, baixos, usavam macacões brancos e não era possível identificar se eles tinham membros. -O fazendeiro ainda disse que eles se comunicavam como seres normais, pela fala, mas o tom de voz era diferente de todos que ele havia ouvido e suas palavras indecifráveis.



Desde então, Itupeva passou a fazer parte de um grupo de locais com supostas aparições de OVNIS, como Roswell, Sibéria, Varginha, entre outras. -O caso invadiu as páginas e capas dos jornais locais, chegando a se destacar na imprensa de nível nacional, pela rede Bandeirantes e Record. -O frisson sobre as ocorrências perdeu a força depois que dezesseis rapazes evangélicos afirmaram que eram eles que estavam no local na fatídica noite em que aconteceu a suposta aparição dos extraterrestres, dizendo que o círculo queimado no mato seco, marcado no solo, foi consequência de uma fogueira feita por eles. -O sr. Ming frequentava as missas todos os domingos, rezava o terço todos os dias, assistia pela televisão a missa de Aparecida e a benção de Trindade e abrindo as portas de sua propriedade em uma sexta-feira a tarde ele logo contou: “Um empregado nosso, disse que tinha gente roubando boi, pois havia um clarão lá em cima do morro. Então, eu e minha mulher ficamos olhando e aquela claridade veio, veio, deu umas voltas e desceu.”. Não foi apenas a luz que protagonizou aquela madrugada.




-De acordo com o proprietário da fazenda Nossa Senhora das Graças, desceram dois “E.Ts.” que vestiam roupas brancas, parecidas com macacões, de baixa estatura e não era possível ver se eles possuíam membros. O sr. Ming disse que eles mantinham um dialogo entre si. “Eles desceram bem devagarzinho e a nave ficou girando. Falavam entre eles, mas quem entendia? Ninguém! Eles falavam bastante, mas ninguém conseguiria compreender.” “Do tamanho de um fusca”, foi assim que Roque Ming definiu a nave. Em sua descrição era a de um objeto que girava de forma rápida, pairava no ar, com uma luz branca forte e em sua volta colorida. “Quando esse aparelho girava era como uma estrela, só que há 20, 30 quilômetros de distância. Cada ponta era de uma cor, cor de rosa, primavera, branco, coisa mais linda que existe.” -Nem discos voadores ou extraterrestres, o grande enigma do caso foi um círculo queimado, talvez a única prova física da aparição. Parecido com uma fogueira, o círculo composto por cinzas brancas apareceu no alto do pasto, local onde o casal Ming avistou o suposto OVNI. Não havia nenhum rastro de pessoas e também nenhum resto de madeira que indicasse que ali teria existido uma fogueira. Essa marca, segundo o fazendeiro, permaneceu no solo por anos.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Notícias relacionadas