Como conhecer Brotas com menos de cem reais no bolso - Itupeva Agora

Agora





terça-feira, 27 de outubro de 2020

Como conhecer Brotas com menos de cem reais no bolso






De pedágio ida e volta você terá que desembolsar entre Itupeva e Brotas R$67,70, já de combustível você deverá gastar cerca de R$ 200,00. Você gastará entre R$ 22 e R$45 com almoço por pessoa. Dividido por 5 pessoas no carro: Vai gastar menos de R$ 100,00. Veja algumas atraçoes gratuitas ou baratinhas de Brotas




Parque dos Saltos

O Parque dos Saltos está localizado próximo ao centro de Brotas e demonstra gratuitamente o poder do Rio Jacaré Pepira. É uma linda paisagem, à disposição de todos que gostam de um circuito de águas radicais. São várias quedas em sequência em meio a uma margem com mata ciliar verde. Essa é uma das atrações mais visitadas da cidade.




Logo mais abaixo da ponte pênsil encontramos a antiga Casa das Máquinas. Ela foi batizada “Casa das Máquinas Antonio Carlos Sabino Tico”, em homenagem a um ilustre brotense que deixou sua marca na cidade. Essa casa abrigava a antiga usina hidrelétrica no final do século XIX. Nessa época, acreditem, Brotas já possuia iluminação pública elétrica, antes mesmo da capital. Esse é um dos passeios gratuitos em Brotas mais praticados por turistas e moradores da cidade.
Caminhar pelo Centro Turístico de Brotas
Locais como a Igreja Matriz, construções antigas, lojas de souvenirs e etc. Há ainda lugares para se tomar um delicioso café como o Cine São José que foi restaurado pelo cantor Daniel. Há também a Praça Amador Simões, o Largo da Santa Cruz e sua igreja centenária e muito mais. Tudo a pé, se preferir. Afinal a tranquilidade que Brotas oferece e a liberdade de andar sem preocupações são um grande trunfo.




Visita a Estação Ferroviária
Em 1929, uma retificação do trecho Itirapina-Jaú deslocou a linha do ramal de Jaú para o leito atual, e a nova estação de Brotas, a terceira desde 1885 em um ponto diferente, foi construída fora da cidade, nos limites da zona urbana. Foi então construída uma rua pavimentada para atingir a estação. Essa foi a terceira estação da cidade, em três pontos diferentes, aberta exatamente no dia 20 de julho de 1929. Em 1941, a abertura dos trilhos de bitola larga e da eletrificação da linha que agora chegava diretamente a Bauru sem mudança de linha aumentou o movimento da estação.
Mas tudo isso ficou no passado. Hoje em dia vemos alguns trens de carga passarem esporadicamente. A Estação Ferroviária Brotense preserva sua arquitetura original, sendo um local de pura nostalgia para os amantes das ferrovias. Vale lembrar que durante inúmeras décadas os passageiros desembarcavam em Brotas, de trens vindo de grandes cidades e municípios de toda a região. Sem dúvidas, é um pedaço da história brotense e um dos passeios gratuitos em Brotas mais legais.




Museus
Um pouco da história do município pode ser vista em espaços como o Centro Cultural, que abriga exposições de quadros e artes plásticas, além do Museu do Cotidiano de Brotas, que abriga a história da colonização cafeeira no município.
E se o assunto é contar a história de um tempo remoto, o Museu do Calhambeque não poderia ficar de fora. Apaixonado pelos ‘Fordinhos’, Marcelo de Albuquerque Felizola decidiu levar sua coleção para um barracão, onde todos tivessem acesso.
Em 1999, o Museu que leva o nome de Raniero Bressan, o mais famoso restaurador de carros da região, começou pequeno. Hoje, o local já conta com mais de 30 veículos e muitas lembranças.
Na telona





Quem quer aproveitar o frio para ir ao cinema de Brotas certamente não se arrepende. Inaugurado em 1956, o local recebeu filmes como de Mazzaropi e abrigava os mais diversos eventos culturais.
A partir de 1976 o cinema fechou e reabriu diversas vezes, até que encerrou suas atividades em 1994. Quase 20 anos se passaram até que o cantor Daniel, nascido em Brotas e um dos grandes nomes do sertanejo, adquire o prédio e faz sua restauração preservando ao máximo sua arquitetura e, quase cinco anos depois, a cidade volta a ter um cinema com as mesmas características e formas de décadas passadas.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Notícias relacionadas