Mulher morta por carro sem motorista, em Jundiaí, tinha ido colocar o lixo na calçada: ‘Nunca imaginei algo assim’, diz filha - Itupeva Agora

Agora

quinta-feira, 3 de setembro de 2020

Mulher morta por carro sem motorista, em Jundiaí, tinha ido colocar o lixo na calçada: ‘Nunca imaginei algo assim’, diz filha





Durante a pandemia, Aparecida de Fátima Cândido Cardoso, de 58 anos, estava com receio de sair de casa por causa do coronavírus. No dia 25 de agosto, quando foi jogar o lixo, foi morta na calçada do imóvel após ser atropelada por um carro desgovernado, no bairro Vista Alegre, em Jundiaí (SP). O Corpo de Bombeiros fez o resgate, mas ela não resistiu.

A filha de Aparecida, Priscila Oliveira, de 35 anos, operadora de empilhadeira, contou ao G1 que todos os dias o padrasto dela costuma jogar o lixo. Porém, no dia do atropelamento, ele esqueceu.

"O carro desceu com tudo e prensou ela na parede. Na hora não tinha ninguém da minha família lá. Cheguei no hospital e ela já tinha morrido. Nunca imaginei algo assim. Como a descida é muito pequena, não tinha como descer com aquela velocidade", relata Priscila.




De acordo com a filha, Aparecida teve duas paradas cardíacas e morreu a caminho do hospital. Ela sofreu trauma torácico e abdominal. No local, não há câmeras que possam ter flagrado o acidente.

A filha relata ainda que durante a pandemia tinha parado com as visitas porque a mãe estava com medo, já que fazia parte do grupo de risco por ter diabetes e pressão alta. "Ela cuidou muito bem da gente. Sempre foi uma boa mãe, trabalhou bastante. Faz dois anos que se aposentou. Meu pai se separou dela, abandonou a gente, mas ela sempre cuidou de nós. A gente só tinha ela. Era minha mãe", comenta Priscila.








Investigação

O caso está sendo investigado pelo 2° Distrito da Polícia Civil de Jundiaí. A Polícia Civil informou que será aberto um inquérito para investigação e será feito o recolhimento dos depoimentos. O laudo da perícia no veículo também apontará a causa.

Ao G1, o proprietário do carro, Joás Pereira da Silva, de 50 anos, relatou que entrou na casa do amigo para tomar um café e deixou o carro na esquina. Quando saiu, ficou conversando na calçada.




"Estava com o freio de mão puxado, tudo certinho. Quando dei cinco passos, o carro começou a descer. Estou querendo entender como pode ter ido em direção da senhora", conta Joás.

Ainda segundo o proprietário, o veículo foi periciado na delegacia. Ele foi acompanhado pela polícia durante o caminho de volta para casa.

"O carro passou por uma rígida perícia. Quando se trata de uma vítima, o carro tem que estar em perfeita condição, pneus novos, seta, farol e freios. Sei como é para a família perder um entre querido, é uma dor. Sei disso porque não tenho mãe", conclui Joás.




Fonte: G1.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Notícias relacionadas