Trote, por erros cometidos em treino de animadora de torcida, podem ter levado jovem à morte - Itupeva Agora

Agora

terça-feira, 25 de agosto de 2020

Trote, por erros cometidos em treino de animadora de torcida, podem ter levado jovem à morte





A polícia da Tailândia está investigando a morte de uma estudante universitária que supostamente entrou em choque e morreu durante um castigo da equipe de animadoras de torcida.
Pornpipat Iad-dum, estudante do primeiro ano em língua tailandesa da faculdade de Humanidades e Ciências Sociais da Universidade Rajabhat de Phuket, morreu quinta-feira (20/08), após alunos a forçaram a correr oito voltas, sem beber água, ao redor de um prédio como punição, dizem os relatórios.



Na sétima volta, Pornpipat teria caído no chão e ficado em estado de choque. Ela morreu mais tarde no Hospital Vachira Phuket.
A irmã mais velha da jovem, Wilawan Iad-dum, registrou uma queixa policial na sexta-feira (21). Ela contou que a universidade disse a ela que Pornpipat desmaiou, em vez de morrer de esforço físico extremo, embora os médicos tenham descoberto que os pulmões de Pornpipat estavam sangrando. A família disse que ela não tinha doenças pré-existentes.
O tenente-coronel Chana Suthimat, da Polícia da cidade de Phuket, que está encarregado do caso, informou que a investigação dos responsáveis está em andamento. “Este caso é relacionado a crianças, então temos que ter certeza se é um acidente ou se foi por negligência”, disse.
Nas universidades tailandesas, a prática das líderes de torcida geralmente vem acompanhada de severas punições físicas e trotes e garota teria sido obrigada a dar as oito voltas sem poder tomar água depois de cometer oito erros durante os treinos.



O reitor da universidade, Hirun Prasankan ofereceu suas condolências à família e doou 100.000 baht para as despesas funerárias. “A morte dela não foi causada por trote como a mídia relatou, mas por causa da prática esportiva”, disse ele, referindo-se à cultura do trote universitário. Questionado se a universidade puniria os responsáveis, o reitor disse que primeiro é preciso investigar.
Keerati Panmanee, ativista do grupo anti-trote Sotus, discordaram das palavras do reitor: “Ela foi forçada a fazer danças bobas e correr. Essa punição não é certa. É apenas uma fatia do trote presente na universidade. Todo mundo sabe quem são esses veteranos. Não será difícil localizá-los. Havia testemunhas com certeza no momento de sua morte ”, disse ela.
Após a morte de Pornpipat, um vídeo que ela postou em 7 de agosto, para um concurso de discursos sobre dialetos do sul do país, acabou recebendo muitas mensagens de condolências.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad