Vacina russa contra Covid-19 pode estar disponível em agosto e Brasil abre inscrição para voluntários para vacina chinesa - Itupeva Agora

Agora

segunda-feira, 13 de julho de 2020

Vacina russa contra Covid-19 pode estar disponível em agosto e Brasil abre inscrição para voluntários para vacina chinesa





A Rússia anunciou, nesta segunda-feira (13), que os testes clínicos para comprovar a eficácia da vacina desenvolvida por iniciativa do governo foram concluídos com êxito, e que entre 12 e 24 de agosto, ela pode entrar em “circulação civil”. A expectativa é finalizar o processo até setembro, quando, de acordo com previsão do Centro Nacional de Pesquisa para Epidemiologia Microbiologia Gamalei, que desenvolveu a vacina, poderá ser iniciada a produção em massa por laboratórios privados.



"A pesquisa foi concluída e provou que a vacina é segura", afirmou Yelena Smolyarchuk, chefe do centro de pesquisas clínicas da Universidade Sechenov, à agência de notícias estatal russa TASS.
Atualmente, duas das 19 vacinas experimentais contra a Covid-19 que estão sendo testadas em humanos, estão em testes finais de fase 3 —uma da chinesa Sinopharm e outra da AstraZeneca e da Universidade de Oxford, que tem parte do teste realizada no Brasil.




Vacina Chinesa com testes no Brasil entra na Fase 3 ainda este mês

A vacina produzida pela chinesa Sinovac Biotech, com testes no Brasil, deve ser a terceira e entrar na fase 3. A previsão é que os testes iniciem no dia 20 deste mês e o governo de São Paulo lançou uma plataforma para inscrição de voluntários que queiram participar dos testes da vacina contra o novo coronavírus, com a CoronaVac.
As inscrições, apenas para profissionais de saúde, estarão disponíveis a partir desta terça-feira (14), no portal www.saopaulo.sp.gov.br/coronavirus/vacina.
Nessa plataforma, os voluntários interessados irão responder a algumas perguntas iniciais para saber se têm o perfil necessário para participar dos testes com a vacina. Após esta etapa, serão informados os endereços dos centros de pesquisa que devem ser procurados para, enfim, iniciarem todos os processos necessários para confirmar a participação. Todas as informações são sigilosas.
Poderão se inscrever apenas profissionais da saúde que ainda não tiveram a doença e que atuam com pacientes com covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus. Eles não podem ter outras doenças nem estar em fase de testes para outras vacinas. As voluntárias também não poderão estar grávidas.



Os testes com a CoronaVac serão realizados em 9 mil voluntários em centros de pesquisas de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná, além de Brasília. A pesquisa clínica será coordenada pelo Instituto Butantan e o custo da testagem é de R$ 85 milhões, custeados pelo governo.

Esta vacina contra o novo coronavírus, desenvolvida pela Sinovac, sediada na China, é uma das mais avançadas em testes. Ela já está na terceira etapa, chamada clínica, de testagem em humanos. O laboratório chinês já realizou testes do produto em cerca de mil voluntários na China, nas fases 1 e 2. Antes, o modelo experimental aplicado em macacos apresentou resultados expressivos em termos de resposta imune contra as proteínas do vírus.
A vacina é inativada, ou seja, contém apenas fragmentos do vírus, inativos. Com a aplicação da dose, o sistema imunológico passaria a produzir anticorpos contra o agente causador da covid-19, a doença provocada pelo novo coronavírus. No teste, metade das pessoas receberá a vacina e metade receberá placebo, substância inócua. Os voluntários não saberão o que vão receber.
Com informações da Agência Brasil de Notícias e UOL


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Notícias relacionadas