Médica americana diz tratar pacientes de Covid-19 com Hidroxicloroquina. Vídeo foi tirado do ar por redes sociais - Itupeva Agora

Agora

terça-feira, 28 de julho de 2020

Médica americana diz tratar pacientes de Covid-19 com Hidroxicloroquina. Vídeo foi tirado do ar por redes sociais





Dra Stella Immanuel, uma médica americana de Houston, no Texas, que alega ter estudado medicina na África, gerou polêmica nas redes sociais ao afirmar que usa Hidroxiclorioquina, zinco e Azitromicina para tratar pacientes com Covid-19. Segundo diz em um vídeo com pouco mais de dois minutos, não perdeu nenhum dos mais de 350 pacientes nos quais aplicou o tratamento, entre eles idosos, diabéticos, asmáticos.




Durante o vídeo, ela afirma ainda que foi até Washington para dizer ao mundo que ninguém precisa morrer, que a Hidroxicloroquina funciona e que ela mesma, assim como os outros médicos da equipe, utilizaram o medicamento para prevenção.

O vídeo, que já tinha mais de 14 milhões de visualizações no Facebook, está sendo derrubado nas redes sociais, mas muitas contas têm divulgado, principalmente no Twitter. Em um comunicado, Andy Stone, diretor de comunicações políticas do Facebook, explicou que é procedimento da rede social excluir vídeos que "compartilham informações falsas sobre curas e tratamentos para o Covid-19".







'Não conseguimos demonstrar um benefício claro', diz OMS sobre o uso da cloroquina em pacientes de coronavírus

A OMS não recomenda o tratamento com cloroquina para o Coronavírus "A OMS não indica o uso da cloroquina em pacientes de coronavírus porque não conseguimos demonstrar um benefício claro a eles" declarou a organização a algumas semanas atrás.

No Brasil, regras que proíbem a venda sem receita em farmácias de medicamentos como cloroquina, hidroxicloroquina, nitazoxanida e ivermectina foram publicadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). As orientações estão na Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 405/2020, publicada ontem no Diário Oficial da União . De acordo com a agência, a lista poderá ser revista a qualquer momento para a inclusão de novos medicamentos, caso seja necessário.

Ainda segundo a Anvisa, o objetivo da norma é impedir a compra indiscriminada de medicamentos que têm sido amplamente divulgados como potencialmente benéficos no combate à infecção pelo novo coronavírus, embora ainda não existam estudos conclusivos sobre o uso desses fármacos para o tratamento da doença. A medida visa também manter os estoques destinados aos pacientes que já têm indicação médica para uso desses produtos, uma vez que os medicamentos que constam na resolução também são usados no tratamento de outras doenças, como a malária (cloroquina e hidroxicloroquina); artrite reumatoide, lúpus e outras (hidroxicloroquina); doenças parasitárias (nitazoxanida) e tratamento de infecções parasitárias (ivermectina).


9 comentários:

  1. A máfia farmacêutica manda na OMS e contra fatos na há argumentos.

    ResponderExcluir
  2. Absurdo. ...contestar a Ciência, pior
    que ainda tem quem teima em acreditar no... Inacreditável! !

    ResponderExcluir
  3. O brasileiro precisa, principalmente no momento atual, usar a racionalidade, pois a ciência está politizada, infelizmente.

    O Ministério da Saúde permitiu que, no âmbito do Sistema Único de Saúde, os pacientes ali assistidos disponham da mesma oferta de medicamentos, em todas as fases do tratamento que os pacientes atendidos pelo setor privado dispõem.

    A hidroxicloroquina é a versão menos tóxica da cloroquina. Seu uso foi liberado exclusivamente para tratamento em ambiente hospitalar de pacientes com diagnóstico positivo para a Covid-19 internados.

    "É sabido que a cloroquina e a hidroxicloroquina podem levar a arritmias cardíacas graves potencialmente fatais.

    Então, seu uso deve
    ser precedido de avaliação cardiológica e realização de eletrocardiograma".

    Simples assim.

    ResponderExcluir
  4. Qual é o parâmetro para duvidar da médica

    ResponderExcluir
  5. Pois é... qual? Mulher,negra... Atente para a parte em que se diz " médica que "diz ter estudado medicina na África." Se ela não estudou medicina, como está trabalhando nos EUA como médica? Estranho, não?

    ResponderExcluir
  6. É importante divulgar também que essa senhora aqui nos Estados Unidos tem fama de maluca, ela costuma dizer que o governo americano é comandado por alienigenas reptilianos entre outros absurdos do tipo, ou seja, ela não é uma pessoa confiável.

    ResponderExcluir
  7. Se ela não é confiável, como trabalha como média nós EUA?? No mínimo questionável esse argumento..

    ResponderExcluir
  8. A indústria farmacêutica e os políticos envolvidos, que compra as autoridades de saúde pra falar mau da hidroxicloroquina, porque eles visam o dinheiro e não a cura das pessoas.

    ResponderExcluir

Post Top Ad