Em Jundiaí, Mulher foi mantida em cativeiro por 9 anos por marido traficante - Itupeva Agora

Agora

terça-feira, 14 de julho de 2020

Em Jundiaí, Mulher foi mantida em cativeiro por 9 anos por marido traficante











PELO COMPANHEIRO TRAFICANTE
DDM acaba com drama de mulher mantida em cárcere privado

A Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Jundiaí, com auxílio da Guarda Municipal, colocou fim ao drama de pelo menos nove anos vivido por uma mulher mantida em cárcere privado pelo companheiro. O homem foi preso por tráfico de drogas, já que também escondia mais de mil pedras de crack - já embaladas e prontas para a comercialização - dentro de um veículo.







De acordo com a investigadora-chefe da DDM, Lilian Picchi, da equipe do delegado Luciano Carneiro de Paiva, a mulher, de 21 anos, foi libertada nesta segunda-feira (13), junto com a filha que tem com o acusado, de apenas dois anos, do imóvel onde permanecia trancada, na rua Caiapós, na Vila Nambi.
Seu depoimento sensibilizou até mesmo as experientes policiais da DDM, acostumadas a apurar casos dos mais variados de violência doméstica. Ela deu detalhes do que sofria no relacionamento, contando que também era agredida, com frequência, pelo companheiro, a ponto de precisar ser levada ao hospital.
A mulher relatou que, nos casos de agressão, tinha de mentir à equipe médica, pois sentia bastante medo do acusado, que é envolvido com o tráfico de drogas. Segundo apurou a DDM, ele atuava como “gerente” de uma “biqueira” (ponto de tráfico), responsável por contabilizar os valores obtidos com a venda dos narcóticos aos usuários.










Cárcere

De acordo com o relato da mulher às escrivãs Fernanda, Ingrid e Flávia, seu companheiro não permitia que ela deixasse o imóvel sem ele. Quando saía, trancava a porta e levava as chaves, deixando no interior apenas a declarante com a filha pequena do casal.
Lilian Picchi explica que, pelo depoimento, a DDM apurou que a mulher só podia falar por telefone com a família, e na presença do acusado, que foi identificado como Tales Fernando de Siqueira, de 24 anos.

Drogas

Nesta segunda, ao ser libertada, a DDM encontrou uma porção de maconha no imóvel, junto com as chaves de um carro e um rádio comunicador (HT). Indagada, a mulher contou que se tratava das chaves de um veículo danificado parado nas imediações.
Com apoio de guardas municipais do Canil (Júlio César, Calixto, Tatiana Regis, Gildomar, Monique, Jacob e Julio), a equipe de investigações da DDM (Lilian, Andrea e Rafael) saiu à procura do carro e do acusado, que foi visto ainda no bairro.







Ele tentou fugir correndo, mas torceu o pé ao pular em um barranco. Mesmo assim, conseguiu entrar em uma casa para se esconder. No entanto, não conseguiu despistar os investigadores e guardas municipais.
No carro, encontrando algum tempo depois, diversas porções de crack, prontas para a venda foram achadas, além de frascos de lança-perfume. As drogas, apurou a DDM, haviam sido deixadas no local pelo acusado, que confessou seu envolvimento com o tráfico.
Além de cárcere privado, que é um crime inafiançável, Tales foi autuado em flagrante pelo comércio de narcóticos, que também não permite fiança e tem pena de até 15 anos de reclusão. Ele não registrava antecedentes criminais e foi recolhido no Centro de Triagem de Campo Limpo Paulista para aguardar audiência de custódia.
Já a mulher contou que pretende se separar. Ela garantiu que vai deixar o imóvel para ir morar junto com a mãe.

Fonte - ImprensaPolicial








Nenhum comentário:

Postar um comentário

Notícias relacionadas