China suspeita que salmão causou novo surto de coronavírus. - Itupeva Agora

Agora

quarta-feira, 17 de junho de 2020

China suspeita que salmão causou novo surto de coronavírus.






O mercado de salmão importado na China, que movimenta US$ 700 milhões, está em risco depois que o peixe foi associado a um novo surto de casos de coronavírus em Pequim, o que pode afetar grandes exportadores como Dinamarca, Noruega e Austrália.





O salmão foi retirado das prateleiras de supermercados e plataformas de entregas de alimentos nas principais cidades chinesas. Enquanto isso, especialistas alertam cidadãos para não consumirem frutos do mar ricos em ômega-3. O boicote ocorreu depois que o presidente de um importante mercado de frutas e legumes chamado Xinfadi, onde foram identificados quase 100 casos recentemente, disse que o vírus foi localizado na tábua usada por um vendedor de salmão importado.

“Após um exame preliminar, foi constatado que [seis] novos casos foram expostos ao contágio dentro do mercado ou estiveram em contato com pessoas contagiadas no local, e não está descartada a possibilidade de que surjam mais casos no futuro” relacionados ao mercado, afirmou Pang Xinghuo, do Centro de Controle e Prevenção de Doenças em Pequim, em entrevista coletiva neste sábado. Todos os afetados foram colocados em quarentena e as autoridades de saúde estão tentando rastrear seus passos para localizar todos os seus contatos, acrescentou Pang.





O porta-voz da Comissão Municipal de Saúde, Gao Xiaojun, disse que esse organismo planeja realizar testes de coronavírus em todas as pessoas que possam ter tido contato com o mercado desde 30 de maio. Pequim tem capacidade para fazer até 90.000 testes por dia.

Na coleta de amostras no mercado de Xinfadi foi detectado coronavírus em uma tábua usada para cortar salmão importado. Até o momento não está claro se a fonte do vírus foi algum lote desse peixe —e, nesse caso, em que momento de seu processamento ocorreu a contaminação— ou se algum dos trabalhadores contagiados tocou na tábua quando já estava doente. Por precaução, os supermercados de Pequim e de outras cidades chinesas recolheram o salmão que tinham disponível. Esse peixe também desapareceu que algumas das principais plataformas de comércio eletrônico especializadas em alimentação.

Outras amostras colhidas em supermercados e em outros mercados atacadistas não apresentaram contaminação, segundo a revista econômica Caixin. O episódio não deixa de lembrar o início do foco original da pandemia, quando vários dos primeiros casos detectados na cidade de Wuhan estavam relacionados com um mercado —naquele caso, de peixes e mariscos, no qual eram vendidos também animais selvagens.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad